Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

27/08/2012 - Século Diário Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Dois anos depois, acusados de fraudes na "Moeda de Troca" vão a julgamento

Por: Nerter Samora

Justiça concluiu fase de instrução e se aproxima de julgar escândalo que abriu série de denúncias contra fraudes.

Às vésperas de completar dois anos da deflagração da “Operação Moeda de Troca”, no próximo dia 16 de setembro, a Justiça de Santa Leopoldina caminha para o julgamento das 11 pessoas acusadas de participação em fraudes no município. Na última semana, o juiz da comarca, Carlos Ernesto Campostrini Machado, concluiu a fase de instrução das ações penais movidas contra ex-servidores, laranjas e empresários que são acusados de fazer parte do esquema de corrupção. A previsão é de que, em até 30 dias, o magistrado tenha condições de iniciar o julgamento.

Seguindo o rito processual, os autos seguem para a fase de alegações finais. Primeiro, o representante do Ministério Público Estadual (MPES) – autor da denúncia – tem quinze dias para apresentar a manifestação derradeira. Em seguida, os advogados de defesa dos acusados terão o mesmo prazo para apresentar as alegações. Posteriormente, os autos retornam ao juiz para a prolatação da sentença.

Será a primeira vez que os acusados no escândalo que abriu a sequência de grandes operações contra fraudes em prefeituras sentam no banco dos réus. Desde o início da tramitação das duas ações penais, no final de 2010, o julgamento dos acusados é prejudicado por medidas postergatórias da defesa. Os advogados chegaram a recorrer ao Tribunal de Justiça do Estado (TJES) para pedir a suspeição do juiz e do promotor do caso, Jefferson Valente Muniz, que acabaram mantidos no processo.

As ações penais da operação foram divididas entre os participantes do núcleo que atuava dentro da prefeitura e o núcleo operacional das fraudes (representado pelos empresários e os supostos laranjas). Entre os então servidores acusados de participação no esquema, constam os nomes de Izidoro Storch, Paulo Calot, Romilson Coutinho Ramos – ex-secretário de serviços gerais de Santa Leopoldina.

Dentro do núcleo operacional, foram denunciados os empresários Aldo Martins Prudêncio – irmão do prefeito cassado do município, Ronaldo Prudêncio (PDT) –, Paulo César Santana Andrade, Dennys Dazzi Gualandi e Robson de Souza Colombo (o Robson Rodeios), além dos supostos laranjas Patrícia Pereira Ornelas Andrade, Adailton Pereira dos Santos, Rozélia Barbosa Oliveira e Antônio Carlos Sena Filho.

A “Operação Moeda de Troca” foi deflagrada no dia 16 de setembro após a apuração dos indícios da formação de caixa dois eleitoral pela quadrilha que fraudava licitações em prefeituras capixabas. Na ocasião, foram presas 11 pessoas relacionadas ao esquema. O bando criminoso aparece relacionado a onze contratos sob suspeita, no total de R$ 28 milhões nas prefeituras de Santa Leopoldina – onde começaram as investigações –, Viana, Cachoeiro de Itapemirim, Serra e Presidente Kennedy (onde foi deflagrada a operação “Lee Oswald”, em abril deste ano).

Durante as investigações, o nome da deputada estadual Aparecida Denadai (PDT) surgiu como uma das beneficiadas pelo suposto caixa dois voltado para a campanha eleitoral. Mais tarde, a relação entre os contratos suspeitos da Impacto Máquinas, principal empresa do esquema, e as prefeituras do PDT levantaram a suspeição sobre a alimentação das milionárias campanhas da sigla.

Em Santa Leopoldina, Aparecida Denadai também encaminhou verbas de emendas parlamentares. A pedetista enviou R$ 470 mil para o município da cota de R$ 800 mil que cabe a cada deputado. Pelas mãos da deputada Aparecida Denadai, o esquema de corrupção em prefeituras chegou até Presidente Kennedy, município comandado pelo petebista Reginaldo Quinta – hoje afastado do cargo em função das denúncias de corrupção.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 674 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal