Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

09/08/2012 - Jornal da Manhã Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Prefeito é julgado por suposta fraude em processo seletivo

Por: Daniela Brito


Em meio à apreciação do processo do mensalão pelos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), o prefeito Anderson Adauto será julgado hoje em ação penal de crime contra a fé pública na suposta fraude em processo seletivo para agentes de saúde pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). A ação penal está sendo julgada pelo órgão em razão do foro privilegiado a que o prefeito tem direito devido ao cargo público. Também são réus no processo-crime o secretário de Administração, Rômulo Figueiredo, e a diretora de Recursos Humanos, Lázara Abadia Gomes Ribeiro.

O julgamento será realizado a partir de 13h45 pelos desembargadores da 2ª Corte Criminal. O relator é o desembargador Herculano Rodrigues. AA tem como advogado José Sad Filho – o mesmo profissional que vem dando andamento às ações judiciais que questionam a intervenção do PMDB no TJMG.

Conforme apurado pela reportagem, a defesa irá insistir na absolvição dos réus, alegando circunstância incontroversa na denúncia, que se baseia em precedente do Supremo Tribunal Federal. Na área cível, a irregularidade está sendo investigada em ação de improbidade administrativa, em tramitação na 5ª Vara Cível da Comarca de Uberaba.

A denúncia veio à tona por meio do então secretário de Saúde, Alaor Carlos de Oliveira Junior, em 2006. À época, ele convocou a imprensa para denunciar que o processo seletivo para contratação de 43 agentes comunitários teria sido forjado para beneficiar pessoas que não teriam sido aprovadas, como fazia crer o governo municipal. Inclusive, este foi o motivo que teria levado o então secretário a deixar o cargo.

Alaor Carlos também acionou o Ministério Público, que, por sua vez, conseguiu mandado de busca e apreensão cumulada com exibição de documentos na Justiça. Como não conseguiu obter as provas e gabaritos que confirmariam a fraude, o promotor deu voz de prisão ao então secretário e à diretora de departamento.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 118 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal