Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

03/08/2012 - JC Online / NE10 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Clonagem de cartões: quadrilha usava vírus alemão e recebia suporte de site americano

Por: Sidney Tenório


O promotor Luiz Tenório, do Grupo Estadual de Combate a Organizações Criminosas (Gecoc), revelou ao Tudo Na Hora detalhes das investigações da Operação Clone, desencadeada para prender acusados de envolvimento em um grande esquema de clonagem de cartões. Entre as informações que estarão na denúncia que está sendo preparada pelo Ministério Público Estadual está a de que a quadrilha já atuava há quatro anos e que usava um vírus alemão para implantar nos computadores das lojas. Os criminosos contavam até com a ajuda de um site norte-americano para dar suporte à fraude.

O delegado Carlos Alberto Reis destacou que a Polícia Civil alagoana e o MPE ganharam muita experiência em crimes virtuais com as investigações da operação Clone. "Com isso, conseguiam movimentar uma média de R$ 200 mil por mês", detalhou o delegado.

Segundo o promotor Luiz Tenório, os prejuízos gerados pela operação Clone são incalculáveis. "Somente uma rede de supermercados levou um rombo de R$ 5 milhões. Temos certeza que há empresários estabilizados hoje que começaram seus negócios com o dinheiro de golpes como esse, mas que hoje estão no mercado formal e não há mais nada que possamos provar contra eles", completou o membro do Gecoc.

As investigações começaram há oito meses quando a polícia prendeu um homem acusado de fazer disparos em via pública. Os policiais desconfiaram que o veículo apreendido com ele havia sido comprado no cartão e teve apenas a entrada paga, o que é chamado de "carro de estouro".

"Daí foi como um novelo de lã, quanto mais puxávamos, mais coisa vinha. Pedimos as interceptações telefônicas, acompanhamos festas da quadrilha, viagens, tudo regado a muito uísque e dinheiro", detalhou o promotor.

O grupo chegou a comprar caminhonetes, veículos de luxo, motocicletas e produtos eletrônicos, muitos para serem usados pelos acusados e outros para vender e gerar dinheiro vivo.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 352 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal