Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

28/07/2012 - Correio da Bahia Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Golpistas se passam por técnicos de telefonia para aplicar golpes do cartão de crédito

Por: Luciana Rebouças

Bandidos se passam por técnicos de telefonia e internet e roubam cartões de crédito dentro de residências em Salvador. Especialistas falam sobre outros golpes com o cartão e dão dicas para não cair em armadilhas. Não dar os dados é a principal delas

A idosa Maria José Teixeira, 85 anos, só queria consertar o telefone e acabou com um rombo de R$ 4.633 nos seus dois cartões de crédito. A história começou quando uma irmã dela encontrou uma suposta funcionária da Oi em um condomínio no Caminho de Areia. Como se passava por funcionária da operadora, a irmã da vítima perguntou se a golpista não poderia ir à casa de Maria José. A falsa funcionária da Oi, então, pegou nome e endereço da vítima e chegou à casa de Maria José às 14h de quinta-feira.

Como um dos filhos de Maria José estava em casa, a golpista disfarçou, fez algumas anotações e foi embora. Um pouco mais tarde, a falsa funcionária da Oi voltou e perguntou a Maria José se seu filho estava em casa. Ele estava, mas no andar superior da casa e a criminosa pôde ficar sozinha com a idosa.

Conclusão: a falsa funcionária da Oi conseguiu entrar no quarto de Maria José e pegar dois cartões de crédito. “Minha mãe ainda percebeu que a porta do guarda-roupa estava um pouco aberta, mas ela não demorou muito e foi embora”, conta Marco Aurélio Teixeira, técnico bancário e filho da vítima.

Rapidez

Acreditando ter algo de errado, Maria José foi verificar seus cartões 40 minutos depois da golpista ter deixado sua casa. Só então percebeu que tinha sido roubada. Como o registro na polícia e os bloqueios do cartão foram feitos rapidamente, a golpista gastou R$ 4.633, sendo R$ 2.900 na compra de uma televisão. “O que fico impressionado é que nenhum desses lugares pediu uma identidade, mesmo sendo a TV de um valor alto”, acrescenta.

Os cartões eram de chip e as senhas estavam ao lado do cartão, pois Maria José tem dificuldade em memorizá-las. Porém, uma das lojas registrou as imagens da golpista gastando R$ 33 em roupas.

O delegado Charles Leão, coordenador do Grupo Especializado de Repressão aos Crimes pelos Meios Eletrônicos, conta que esses golpes do cartão, com falsos funcionários se passando por técnicos das operadoras de telefonia e internet, estão se tornando comuns em Salvador. Mesmo assim, as pessoas ainda registram poucas queixas, contactando apenas as empresas do cartão.

Contabilizando as queixas registradas na Delegacia de Repressão a Estelionatos e Outras Fraudes, é aplicado, em Salvador, um golpe de cartão por dia.

Montado há dois meses, o Grupo Especializado de Repressão aos Crimes pelos Meios Eletrônicos não será responsável apenas pelos crimes com cartões, mas também por investigações que envolvam “alta tecnologia”. A pretensão de Leão é que, até o final do próximo ano, uma delegacia esteja montada para atender essa área.

Mudanças

O delegado explica que há uma mudança na forma dos criminosos aplicarem os golpes. Se antes os skiners (popularmente conhecidos como chupa-cabras) eram utilizados para a clonagem dos cartões, agora, os criminosos recorrem mais aos crimes com “cartão não presente”.

Nesse tipo de estelionato, eles roubam os dados das vítimas por telefone ou pela internet, através de e-mail falso. “É mais fácil e menos perigoso do que ter que instalar um equipamento no caixa eletrônico de um banco”, diz.

Em muitos casos, o criminoso utiliza uma técnica que os especialistas chamam de Engenharia Social. O suposto atendente de telemarketing, por exemplo, já sabe o nome e o endereço da vítima e liga perguntando se ela fez compras em outra cidade e com valor alto.

Preocupada, a vítima não desconfia do golpe e passa outros dados do cartão para o estelionatário. Por isso, Leão lembra que atitudes simples evitam esses golpes. “Como minha mãe já dizia, não fale com estranhos ao telefone e não forneça, de forma alguma, seus dados na ligação”.

O especialista em segurança pública e privada Jorge Lordello esclarece sobre outros cuidados. Crianças ou empregadas domésticas não devem atender o telefone de casa, por exemplo. “A empregada não vai resolver nada para você e as crianças vão passar qualquer informação que os criminosos perguntem”.

Já o coordenador do Comitê de Segurança e Prevenção a Fraudes da Associação Brasileira de Empresas de Cartão de Crédito, Henrique Takaki, lembra que mesmo pessoas instruídas acabam caindo em golpes. Ele reforça que, se o banco liga para o cliente, é ele que deve passar os dados e não a pessoa. “Nenhum banco vai te pedir sua senha”, alerta Takaki.

Funcionário deve ter crachá e uniforme

Sobre o golpe ocorrido com a idosa Maria José, a Oi destacou que adota rigoroso sistema de fiscalização com as suas equipes técnicas e prestadores de serviço. Em nota ao CORREIO, a empresa informou que “a companhia alerta os clientes que, mesmo ao solicitarem um reparo ou serviço para sua linha telefônica, por uma questão de segurança, é importante que eles exijam dos técnicos da empresa a sua identificação funcional antes de recebê-los”. Também é importante que os consumidores saibam a forma de apresentação dos funcionários: eles são obrigados a se apresentar uniformizados, com crachá de identificação, onde consta o número de matrícula.

Operação prende 25 envolvidos em clonagem

Em quase três meses e meio de investigações, o Grupo Estadual de Combate às Organizações Criminosas (Gecoc), de Maceió (AL), conseguiu capturar mais de 10 horas de ligações telefônicas feitas entre as pessoas acusadas de integrar uma quadrilha de clonagem de cartões de crédito.

O portal Gazetaweb.com, de Alagoas, divulgou, esta semana, algumas dessas ligações. São quatro gravações que envolvem três homens já presos durante a operação Clone, desencadeada pelo Gecoc. Para os investigadores da polícia, todos eles demonstraram, através das ligações, total envolvimento com a organização criminosa, chegaram a discutir, por telefone, o esquema para novos golpes e até brigaram por causa do uso excessivo dos cartões clonados.

Em uma das ligações, que acontece entre Edson Ricardo da Rocha e Edson Ferreira Teixeira, eles conversam sobre a aquisição de equipamentos chipados (aqueles que são confeccionados, ilegalmente, para absorver as informações dos cartões verdadeiros). Confira alguns trechos da conversa:

- (...) eu quero saber uma posição de você, das máquinas lá, porque o pessoal tá me cobrando.
- Hum... Das tuas máquinas, né?
- (...) Outra coisa (...), o pessoal que fabrica as máquinas lá em São Paulo, o cara já armou o negócio do chipado, entendeu?
- Já?
- Já. Eu não disse a você que tava rolando no Brasil, entendeu? Aí a minha parte aqui vai sair R$ 25 mil pra eu pegar o negócio lá.
- (...) Então ele vai ver, quinta-feira ele tá descendo pra Salvador, eu vou me encontrar com ele lá.
-(...) porque repare, por causa disso, a gente perdeu de ganhar uns, pelo menos R$ 150 mil.

Edson Ricardo da Rocha, em uma das ligações, até encomenda dados de clientes à ramificação da quadrilha na Bahia.

A organização criminosa tinha atuação em vários estados do Nordeste, a exemplo de Alagoas, Pernambuco, Sergipe, Paraíba, Ceará e Bahia. A operação cumpriu 24 mandados de busca e apreensão e 25 de prisão.


Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 416 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal