Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

09/10/2007 - SEGS Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Riscos ocultos

Por: Luiz Leitão


Hoje, no mundo todo, vive-se sob a constante ameaça dos produtos falsificados. O problema se torna mais grave quando ameaça a saúde.

No Panamá, houve dois casos de produtos envenenados: dentifrícios importados da China continham dietilenoglicol, o mesmo veneno que o governo do Panamenho inadvertidamente adicionou a medicamentos contra resfriado, matando ao menos cem pessoas, ano passado. O produto, falsamente etiquetado como glicerina, também viera da China.

Duas recentes operações desencadeadas pela Polícia Federal e pelo Ministério Público do Rio Grande do Sul, o anúncio de recall de brinquedos fabricados na China, um relatório da consultoria Kroll e uma reportagem do site Contas Abertas dão a medida do tamanho, mas não da quantidade, dos riscos que se corre atualmente por causa de medicamentos, brinquedos e próteses falsificados ou simplesmente fabricados sem um controle rígido de qualidade, quando não feitos por empresas de fundo de quintal, sem licença das autoridades de saúde.

Em outubro de 2006 o MP do Rio Grande do Sul revelou o resultado da Operação Hipócrates, uma investigação que durou um ano e descobriu que três empresas gaúchas forneciam próteses para hospitais de todo o País, sem autorização da vigilância sanitária. Foram denunciadas 165 pessoas, entre médicos, administradores de hospitais e empresários.

Um ano depois, a PF levou a cabo a operação Metalose, com uma revelação estarrecedora: uma quadrilha há quatro anos falsificava próteses humanas para substituição de ossos e dentes utilizando materiais sucateados e fora das especificações que vendia, inclusive, pela internet e até exportava. Metalose significa a rejeição da prótese metálica pelo organismo, o que pode resultar na necessidade de amputação de membros.

Segundo Contas Abertas, mais de três mil tipos de seringas e medicamentos utilizados em todo o país podem estar com defeito. A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e o PNUD (Plano das Nações Unidas para o Desenvolvimento) investigam cinco mil reclamações relacionadas à baixa qualidade de produtos usados em hospitais, entre os quais seringas, próteses, medicamentos e hemoderivados - usados em transfusões sangüíneas.

Não menos perigosa, a falsificação de medicamentos ocorre em âmbito mundial. A empresa de consultoria de gestão de riscos Kroll International diz, em seu relatório Fraud Report 2007-2008, que a Mark Monitor, empresa que monitora o uso indevido de marcas, identificou mais de 3.100 farmácias vendendo na Internet uma ou mais das três marcas mais populares de medicamentos. Ofertas de remédios enviadas massivamente por e-mail são potencialmente perigosas, e apenas quatro de três mil sites tinham o selo de acreditação Verified Internet Pharmacy Practice Site (VIPPS); ou seja, não eram confiáveis. Mais assustador ainda, a média dos preços nestes sites era de um quinto daquelas encontradas nos que tinham o selo VIPPS.

A questão dos medicamentos e produtos como complementos vitamínicos oferecidos na Web é ainda mais arriscada porque o tráfego destinado a sites legais pode ser desviado e muitas farmácias virtuais falsificam os selos VIPPS. Recentemente, uma mulher canadense morreu depois de tomar comprimidos adquiridos online.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), os medicamentos mais falsificados nos países ricos são os redutores de colesterol, os usados no tratamento de câncer e os repositores hormonais. Nos subdesenvolvidos são os antimaláricos, antiretrovirais - para HIV/AIDS - e os para tratamento de tuberculose.

Um cirurgião americano contou recentemente que utilizou uma tela de polipropileno para fechar uma hérnia e descobriu, através de um e-mail da Johnson & Johnson, fabricante da tela, que o produto usado por ele, adquirido de uma distribuidora tradicional, era falso.

Apesar das ações das autoridades, é preciso ter em mente que apenas uma parte das fraudes é descoberta e que muitas quadrilhas atuam durante longo tempo até que sejam desarticuladas. Fora isso, existem as falhas de projeto, caso evidente dos ímãs que soltam de brinquedos.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 332 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal