Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

07/10/2007 - paraiba.com.br Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Fraude do amigo de Ciro pode envolver mais diretores


A controladoria-geral da união (CGU) desconfia ter encontrado um ninho de empréstimos irregulares dentro do Banco do Nordeste, um banco do governo federal. São oito contratos suspeitos de redução de dívida, semelhantes ao assinado com a Frutas do Nordeste do Brasil (Frutan). Na semana passada, ÉPOCA revelou que a Frutan, uma produtora de frutas para exportação com sede no Piauí, foi beneficiada pela redução irregular de sua dívida com o Banco do Nordeste, que caiu de R$ 65 milhões para R$ 6,6 milhões em 2006. Os novos contratos sob suspeita, localizados por uma equipe de auditores da CGU que esteve na sede do banco em Fortaleza na semana passada, somariam mais de R$ 1 bilhão.

Os nomes dos favorecidos pelos contratos aparentemente irregulares são tratados com toda reserva dentro da CGU. Sabe-se que são oito empresas das áreas de energia, de telefonia e de pesca, sediadas no Ceará, na Bahia e em Pernambuco. Os auditores da CGU ainda não sabem apontar os responsáveis pelas supostas fraudes. No caso da Frutan, o principal investigado é o diretor de administração do Banco do Nordeste, Victor Samuel Cavalcante da Ponte – amigo e arrecadador de campanha do deputado federal Ciro Gomes (PSB-CE). Indicado por Ciro para ocupar a diretoria do banco, Ponte assinou o acordo que derrubou a dívida da Frutan de maneira irregular. Além de contrariar uma determinação da Advocacia-Geral da União (AGU), ele não tinha competência funcional para isso.

No caso Frutan, as investigações se estenderam a outros diretores do banco, inclusive ao presidente Roberto Smith, indicado pelo deputado federal José Nobre Guimarães (PT-CE). Smith e outros dois diretores estão sob suspeita de ter tentado apagar os rastros da fraude cometida por Ponte. O contrato assinado por Ponte com a Frutan, que o próprio Banco do Nordeste reconhece não ter valor legal, foi usado pela Frutan em agosto do ano passado numa ação judicial para forçar o banco a cumprir o acordo. No dia 26 de setembro de 2006, a diretoria aprovou a renegociação da dívida nas condições e nos valores acertados por Ponte. De acordo com os investigadores, a diretoria deveria ter acionado a AGU e transferido o processo para a Justiça Federal, que poderia ter anulado o acordo ilegal fechado por Ponte. “Com essa decisão, a diretoria legalizou meu ato”, disse Ponte a ÉPOCA.

Na sexta-feira, em entrevista coletiva em Fortaleza, Ciro disse acreditar na inocência de Ponte. “Me informaram que esse acordo nem foi ele quem fez, porque não podia fazer. Foi um acordo determinado por uma sentença homologatória de um juiz do Piauí”, afirmou (leia a entrevista abaixo e carta de Ciro ). ÉPOCA enviou oito perguntas ao Banco do Nordeste sobre a conduta da diretoria do banco em relação ao acordo judicial com a Frutan. Eis a resposta do banco: “Existem processos administrativos em curso, instaurados para a apuração, dentre outros, dos fatos que são objeto das indagações. O BNB não se pronuncia a respeito desse assunto antes da conclusão das apurações”.


ENTREVISTA
“Cala a boca!”

Na sexta-feira, durante uma entrevista coletiva em Fortaleza, o deputado Ciro Gomes (PSB-CE) falou a ÉPOCA sobre a acusação de fraude cometida por seu amigo Victor Samuel Ponte, no Banco do Nordeste. Leia os principais trechos.
ÉPOCA – Como está sua relação com Victor Samuel Ponte?
Ciro Gomes – Ele é meu amigo, e, se tiver cometido alguma imprudência, o que eu não acredito, até prova em contrário, é ex-amigo. Qualquer amigo meu que quebrar minha confiança e cometer desatinos de natureza ética será ex-amigo.

ÉPOCA – O senhor não acredita que ele quebrou sua confiança ao assinar, de maneira irregular, um acordo para reduzir a dívida da Frutan com o banco?
Ciro – Não acredito. Depois que saiu a calúnia contra mim, que não tenho nada com isso, tomei informações e descobri que o tal acordo nem foi ele quem fez. Foi determinado por uma sentença homologatória de um juiz do Piauí.

ÉPOCA – Mas essa sentença se baseou no acordo assinado por Victor Samuel...
Ciro – O assunto está encerrado.

ÉPOCA – A sentença... (Ciro interrompe.)
Ciro – Sentença não é acordo!

ÉPOCA – Mas a Frutan usou o acordo para legalizar a redução do empréstimo na Justiça...
Ciro – Vá investigar, amigo. O que quero lhe dizer é que só soube depois. Não tenho nada com isso, não sou diretor do banco. Nunca interferi, nem tive influência sobre qualquer operação do banco.

ÉPOCA – Essa decisão judicial só saiu...
Ciro – Cala a boca, deixa eu acabar de falar! (Ciro sai da sala.)


Fonte: Revista Época

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 502 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal