Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

09/05/2012 - G1 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Ministério Público investiga possível fraude no hospital de Três Passos, RS

Presidente e administrador foram afastados sob suspeita de desvios. Diretoria foi destituída e grupo gestor designado para assumir a instituição.

O Ministério Público (MP) investiga possíveis irregularidades no Hospital de Caridade de Três Passos, na Região Noroeste do Rio Grande do Sul. O presidente e o administrador da instituição foram afastados sob suspeita de desvio de verbas, e um grupo gestor assumiu temporariamente.

Os dois são suspeitos de utilizarem notas fiscais falsificadas, com prestação de serviços que não ocorriam e com a aquisição de equipamentos que nunca existiram.

As investigações do MP de Três Passos iniciaram há quatro meses e corriam sob sigilo. Nesta semana, a promotora pediu ao Conselho Fiscal do hospital o afastamento do presidente e do administrador por suspeita de utilizarem notas fiscais falsificadas para a prestação de serviços que não ocorriam e aquisição de equipamentos que nunca foram comprados.

“Essa situação se iniciou a partir do momento que fomos procurados por funcionários do Hospital de Caridade. Estas pessoas já nos procuraram com uma base documental bastante sólida. Nós acreditamos que muitos outros elementos venham aos autos e, talvez, seja apurada a participação de outras pessoas”, conta a promotora de Justiça Aline Stefanello Segnor.

Uma auditoria interna será feita para verificar o quanto foi desviado, se existem mais irregularidades e outras pessoas envolvidas. O MP deve concluir as investigações em 30 dias. Depois deste prazo, deve propor ao MP Federal uma ação conjunta na Justiça Federal por envolver verbas da União.

O administrador do hospital afastado disse que só vai se pronunciar após receber orientação do advogado. O presidente do hospital não foi encontrado.

Por 180 dias, o hospital será administrado por dois funcionários, dois médicos do corpo clínico e quatro servidores da prefeitura. O estatuto do hospital será reformulado para que as contas sejam abertas à sociedade e os funcionários possam fazer parte da diretoria.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 168 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal