Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

04/05/2012 - R7 / Agência Estado Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Pagamento de precatório é suspenso após suspeita de fraude no RN


O Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região (RN) suspendeu o pagamento de precatórios de R$ 51,5 mil sob a suspeita de fraude processual. A ação cautelar foi ajuizada pelo Ministério Público do Trabalho do Rio Grande do Norte que apontou diversos vícios em acordo judicial, envolvendo uma advogada, cunhada do ex-prefeito de Galinhos (RN), Ricardo de Santana Araújo, e a prefeitura. Na ação, o MPT também busca anular o acordo judicial e a ordem de pagamento representada pelo precatório, em face da suposta fraude.

O processo começou quando o TRT enviou cópia de reclamação trabalhista em que foi feito acordo judicial referente ao pagamento de dez meses de salários não pagos à advogada supostamente contratada pela prefeitura, Maria Margarida Gusmão Ferraz.

As partes fizeram um acordo judicial, com a prefeitura se comprometendo a pagar R$ 22,5 mil em dez parcelas, sob pena de multa de 100% sobre o valor. O acordo, por si só, não representava grande vantagem para o município, diz o MPT, uma vez que os salários cobrados judicialmente pela advogada eram da ordem de R$ 25 mil.

A prefeitura não cumpriu o acordo, atrasando o pagamento da segunda parcela, momento em que a advogada reclamante pediu a aplicação da multa e atualização dos valores, fazendo a dívida saltar para R$ 51,5 mil em dezembro de 2009. Um novo acordo foi feito faltando apenas 15 dias para o fim do mandato de Araújo.

Diligências feitas pelo MPT apuraram que não havia registro, licitação ou qualquer documento que comprovasse a contratação da advogada Maria Margarida Guzmão Ferraz pela prefeitura, o que levaria à conclusão de que o acordo judicial seria uma fraude processual, sendo o contrato de trabalho inventado apenas para justificar a apropriação ilícita de dinheiro público.

Foi apurado também pelo MPT que a advogada, além de ser cunhada do ex-prefeito, havia prestado serviços particulares para ele no período em que alegava estar trabalhando para a prefeitura de Galinhos.

O MPT enviou varias intimações para o ex-prefeito e para a advogada para que se manifestassem a respeito da alegada contratação, além de esclarecer a relação de afinidade e parentesco existente entre ambos. A advogada também foi questionada sobre a possibilidade de, diante das irregularidades apuradas, desistir da execução do precatório. Nenhuma notificação enviada pelo MPT foi respondida pelas partes envolvidas.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 106 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal