Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

27/04/2012 - Tribuna Hoje Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Ex-prefeito de Satuba é condenado a 62 anos de prisão por fraudes

Acusações como desvios de verba e apropriação de recursos pesaram bastante.

Adalberon de Morais, ex-prefeito da cidade de Satuba, foi condenado a prisão nesta quinta-feira (27).

Ele deve cumprir pena de 62 anos recluso por vários crimes durante sua administração entre os anos de 1998 a 2003, já que ele assumiu dois mandatos seguidos.

Contra ele, pesam acusações de fraudes licitatórias, desvio de verba e apropriação de recursos públicos federais, estes repassados pelos ministérios das Cidades, Educação e Saúde.

A ação contra o chefe do executivo municipal teve recomendação do Ministério Público Federal (MPF).

Ela teve como base o relatório da Auditoria Especial realizada pela Controladoria-Geral da União (CGU) após o assassinato do professor Paulo Bandeira, ocorrido em 2 de junho de 2003. Paulo Bandeira foi morto depois de denunciar desvio de recursos do Fundo de Manutenção e de Desenvolvimento do Ensino Fundamental (Fundef) na cidade.

Na auditoria, foram constatadas diversas provas de fraudes nos procedimentos licitatórios, superfaturamento de obras e serviços de engenharia, desvios de recursos e a inexecução parcial de contratos de repasse firmados entre a prefeitura e os Ministérios das Cidades e da Saúde.

Ministério das Cidades

No âmbito dos recursos repassados pelo Ministério das Cidades, constatou-se irregularidades na execução do contrato de repasse destinado a obras de drenagem e pavimentação nas ruas Adalberon de Morais Barros e Teotônio Vilela, para o qual foi repassado o montante de R$ 100 mil reais.

Ainda ao que é atinente ao Ministério das Cidades, restou apurado o desvio de verbas que seriam destinadas à construção de unidades habitacionais nos Loteamentos Nova Esperança e Fridolin Winteller. As casas construídas tinham péssima qualidade devido ao uso de materiais de baixa qualidade e fora do padrão especificado. Demais disso, a Prefeitura Municipal de Satuba contratou diretamente a empresa Portal Construções Ltda, sem procedimento licitatório, para executar a reforma de 64 moradias, em diferentes localidades do município.

Convênio com a Funasa

O sistema de abastecimento de água do município também foi alvo de irregularidades. Na execução do convênio com a Fundação Nacional de Saúde (vinculada ao Ministério da Saúde) para perfuração de poços nos Povoados Santa Apolônia, São Bento e Mundaú, constatou-se o desvio de recursos em proveito da empresa GP Projetos e Construções Ltda., na ordem de R$ 262 mil reais.

Ministério da Educação

No que atinge os recursos repassados pelo Ministério da Educação, verificou-se irregularidades na aplicação de recursos oriundos do Fundef e no Programa de Adequação de Prédios Escolares. Em relação a este último, restou evidenciada a apropriação de verbas públicas que deveriam ser utilizadas para o pagamento de material de construção, por meio da emissão de cheques da prefeitura em favor de empresa de propriedade do ex-gestor Adalberon de Morais.

Legislação

De acordo com a sentença, proferida pela 4ª Vara da Justiça Federal, o ex-prefeito cometeu condutas previstas no artigo 1º do Decreto-lei nº 201/67 (crimes de responsabilidade pela apropriação e/ou desvio de bens ou rendas públicas) e no artigo 89 da Lei 8.666/93 (dispensa indevida de licitação).

Condenação

Adalberon de Morais foi condenado a pena privativa de liberdade que totaliza 62 anos. A sentença declarou ainda que o réu não pode recorrer em liberdade, uma vez que se encontra preso por força de decreto de prisão preventiva.

O processo de nº 0007077-38.2003.4.05.8000 tramita na 4ª Vara da Justiça Federal.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 113 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal