Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

26/04/2012 - Jornal Floripa Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Quadrilha usava sites de venda para oferecer carros mais baratos

Um dos integrantes foi preso por estelionato em São Paulo. Um modelo de veículo, que chega a custar R$ 34 mil, era oferecido por R$ 10 mil a menos.

Oferecendo, na internet, carros zero quilômetro a preços bem abaixo do mercado, uma quadrilha enganou vítimas em todo o Brasil. A polícia, em São Paulo, desmontou o esquema e prendeu nesta quarta-feira (25) um dos estelionatários.

A quadrilha usa sites de venda para oferecer carros com preços abaixo do mercado. Um modelo, que chega a custar R$ 34 mil na concessionária, é oferecido por R$ 10 mil a menos.

Para mostrar como é o golpe, o produtor do Jornal da Globo ligou para o telefone do anúncio. Uma mulher se apresenta como Cristiane e diz ser médica. Ela fala que tem uma dívida trabalhista para receber de um hospital. Mas em vez de dinheiro, o pagamento será feito com o carro, que ela quer revender.

Produtor: E como é que funciona, eu pago para o hospital, pago para você, pago para quem?
Golpista: Não, aí é para mim. Porque quem está vendendo o veículo sou eu.
Produtor: Então é o hospital que vai comprar o carro?
Golpista: Isso, só que vai sair quitado no seu nome. Como eu quero passar o veículo para frente, eles vão pagar o carro pra concessionária só que vai sair no seu nome, ao invés de sair no meu.

A golpista explica por que o carro está sendo vendido tão barato.

Golpista: O hospital me deve o valor cheio do carro. Eu estou pedindo um pouco mais abaixo, que é 24 e meio, mas eu estou pedindo um valor um pouco abaixo para poder vender mais rápido e também se eu retirar ele já perde um pouco do valor.

Para tentar convencer as vítimas, a mulher usa o nome de um hospital de Osasco, na Grande São Paulo. Ela passa um telefone de um suposto integrante da diretoria, que vai dar sequência na negociação. Na realidade o diretor é um segundo golpista.

Golpista: O médico tem a opção de retirar o veículo para ele, ou ele pode estar vendendo para um terceiro, tá?

E pede para o nosso produtor ir à uma concessionária escolher o carro.

Golpista: Fez esse processo a gente vai fazer o pagamento pra concessionária, no mesmo dia que for pago a concessionária, nesse mesmo dia você paga automaticamente a doutora.

O produtor foi à uma revenda de São Paulo, encomendou um carro e avisou os golpistas. Eles então enviaram para a concessionária um comprovante de pagamento falsificado no valor total do veículo. O vendedor confirma a compra, porque ainda não sabe que o depósito não foi feito.

Produtor: O hospital já te pagou o carro, então?

Vendedor da concessionária: Já está pago, já está pago, já tenho o comprovante aqui de pagamento, já tem a autenticação no boleto.

O nosso produtor recebe então uma ligação da quadrilha, que informa um número de conta para ele depositar o dinheiro da compra do carro.

Golpista: Estou te ligando para passar os dados da conta, pode ser? A conta é do meu marido, tá? Kleber da Silva Siqueira.

Várias pessoas caíram no golpe e pelo menos 27 registraram boletim de ocorrência. O nosso produtor não depositou o dinheiro e começou a ser ameaçado.

Produtor: Acho que eu vou deixar pra lá isso daí...

Golpista: Vou ligar pra doutora agora, com o maior prazer. Ela vai está indo na delegacia abrir um boletim de ocorrência contra a sua pessoa. Como você acorda para trabalhar, a gente também acorda para trabalhar.

No hospital citado pelos golpistas, não existe nenhum doutor Ribeiro nem doutora Cristiane e nesta quarta-feira (25), Kleber da Silva Siqueira foi detido para averiguação ao sair de um banco.

Ele vai responder por estelionato. A polícia procura agora o resto da quadrilha. Kleber estava sacando dinheiro depositado por uma mulher, que pediu para não ser identificada. Ela conta que pagou mais de R$ 20 mil por um carro, que nunca iria receber. "Eu vi a nota da concessionária, os meus dados, o boleto autenticado. Aí eu efetuei o depósito. É muito ruim isso, eu não quero para ninguém isso."

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 109 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal