Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

18/04/2012 - G1 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Suposto feiticeiro é condenado por estelionato pela Justiça do RS

Homem prometeu livrar família de mandinga por R$ 2 mil em Getúlio Vargas. Preso em flagrante, ele pegou um ano de prisão e pagamento de multa.

Um suposto feiticeiro foi condenado a um ano de prisão em regime aberto – convertido em prestação de serviços à comunidade – e pagamento de multa por prometer livrar uma família de mandinga em Getúlio Vargas, na Região Noroeste do Rio Grande do Sul. A sentença foi divulgada nesta quarta-feira (18) pela 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do estado.

O caso ocorreu em abril de 2007. Segundo a denúncia do Ministério Público baseada no relato da vítima, o réu foi até a casa da senhora idosa, apresentando-se como um índio do Mato Grosso e oferecendo-lhe pedaços de tronco como remédio. A seguir, o suposto feiticeiro pediu uma bacia, uma toalha e um ovo, com a finalidade de fazer um teste, e afirmou que alguém havia feito um “trabalho” buscando o mal da família da vítima. O homem prometeu que, com a ajuda de guias e mediante o pagamento de R$ 2 mil, poderia desfazer o tal feitiço.

A idosa alegou que não tinha dinheiro, mas foi convencida pelo homem a pagar sob o argumento de que não se importava com seus parentes. A vítima, então, sacou tudo o que tinha na conta bancária e conseguiu outra parte da soma através de crediários em lojas. Ao pedir emprestado os R$ 700 que faltavam aos familiares, ela acabou revelando onde o dinheiro seria empregado. O genro da mulher, então, avisou a polícia, que prendeu o acusado em flagrante, após ele receber a quantia.

Condenado por estelionato, a defesa do suposto feiticeiro apelou, alegando falta de provas. Ao analisar o recurso, o desembargador Diógenes Vicente Hassan Ribeiro salientou no despacho que tanto o fato quanto a autoria foram suficientemente comprovados e que o próprio réu, apesar de negar ter feito qualquer mandinga, admitiu que a mulher lhe entregou cerca de R$ 800. A Justiça concluiu que o réu tentou obter vantagem ilícita ao induzir a vítima a erro, por meio ardil.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 120 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal