Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2018 SOBRE FRAUDES E FALSIFICAÇÕES
Veja AQUI programação e promoções dos últimos treinamentos de 2018 da DEALL R&I
sobre Fraudes e Falsificações nos dias 14, 22 e 29 de novembro.


AFD SUMMIT
A maior Conferência de Investigação Corporativa & Perícia Forense da América Latina.
São Paulo dias 08-09 de dezembro de 2018


Acompanhe nosso Twitter

12/04/2012 - Decision Report Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Brasil não está preparado para ciberataques


O crime digital ocupa a segunda posição no país na lista dos crimes econômicos mais identificados pelas empresas, atrás apenas do roubo de ativos. Isso mostra que, apesar de serem mais dependentes da tecnologia, as empresas estão menos preparadas para lidar com os riscos que ela oferece.

Uma pesquisa realizada pela PwC apontou que 33% dos respondentes no Brasil já sofreram algum crime econômico em 2011, nove pontos percentuais a mais do que na pesquisa anterior. Apesar disso, mais de 50% dos entrevistados responderam que os CEOs e a diretoria de suas empresas não detêm processos de verificação de ameaça a crimes digitais, e que a maioria não tem ou não sabe se possui algum plano de resposta para as crises cibernéticas. Além disso, aproximadamente 2 em cada 5 entrevistados nunca receberam qualquer tipo de treinamento em segurança cibernética.

“Os líderes das empresas comumente classificam a segurança digital como um problema da área de tecnologia da informação. No entanto, a questão envolve também o modo como a área de Recursos Humanos garante que os funcionários entendam as políticas de segurança da empresa e como recruta pessoas para proteger a organização de ataques cibernéticos”, diz Fernando Cevallos, gerente sênior da PwC Brasil.

Envolver as equipes de TI, auditoria interna e a diretoria no combate aos crimes, assim como conduzir avaliação regulares de riscos de fraudes, são alguns passos para evitar fraudes digitais. “Atribuir a liderança de combate aos crimes digitais aos CEOs e adotar um planejamento de respostas às crises devem ser considerados os primeiros passos para começar a proteção”, completa.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 399 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Divulgação





NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal