Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

10/04/2012 - Revista Consultor Jurídico Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Direitos ficam de lado em nome do combate ao crime

Por: Ali Mazloum


Em recente noticiário, mostrou-se a cara da corrupção. Durante dois meses um repórter do Fantástico trabalhou infiltrado em uma repartição pública. Obteve-se um retrato fiel dos ilícitos que há muito permeiam as atividades estatais. O jogo de cartas marcadas em licitações e as fórmulas empregadas para superfaturar preços foram escancarados. Mas, qual o valor probatório de tudo isso? Os modelos tradicionais de produção de provas estariam obsoletos?

Hoje, cada vez mais, direitos fundamentais vão ficando de lado em nome do “bom” combate ao crime. Paulatinamente políticas securitárias ganham corpo num processo contínuo de policialização do Estado. E, a conscientização da ineficiência dos órgãos de prevenção e repressão, aliada à crescente criminalidade, abalam a crença nas instituições democráticas. Basta ver o que ocorre hoje com o Poder Judiciário ou mesmo com a classe política: o desencanto é generalizado.

A questão é grave, pois aos poucos, em nome da repressão ao crime, da forte demanda securitária, Direitos Humanos vão sendo esvaziados. A sociedade, amedrontada, pouco faz para preservar suas conquistas históricas. O recurso a métodos de investigação invasivos é cada vez mais frequente. As interceptações telefônicas são um bom exemplo da vulgarização do direito à intimidade. Buscas domiciliares perderam o caráter da excepcionalidade. Acusações são atravessadas sem base empírica, mas logo encontram eco no “tribunal da opinião pública”.

Estamos em uma encruzilhada: curvar-se ao ressurgimento de um regime de força — espécie de neototalitarismo — por mais segurança, ou exigir a adoção de mecanismos criativos e aptos a reprimir o crime, sem sacrificar direitos fundamentais. De fato, é preciso recriar arquétipos legais que se harmonizem com as liberdades públicas se queremos preservá-las.

Na Europa, mais particularmente na França, tem-se buscado novos meios de produção de provas menos danosos aos Direitos Humanos. É o caso do denominado test de situation ou de récurrence, algo como “teste de situação” ou “teste de recorrência”, destinado à obtenção de provas em algumas e específicas modalidades criminosas. O testing - “ensaio” - tem por objetivo recriar uma situação bem parecida com aquela em que determinado delito tenha ocorrido, para verificar se, diante das mesmas condições, o fato típico se repete. Nada tem que ver com o conhecido crime impossível por obra de agente provocador, como aparentemente o testing pode estar a sugerir.

Há muito se assentou não haver delito na hipótese do flagrante adrede preparado pela autoridade policial. No testing, não há provocação ao crime, mas provocação à prova. Trata-se de fórmula empregada para evitar a aplicação de medidas invasivas (agressivas) a direitos fundamentais. Reduz-se, de quebra, o denuncismo irresponsável.

O test de récurrence vem sendo utilizado para conter a escalada ao preconceito racial e religioso em alguns países do continente europeu. Para exemplificar: denúncia de discriminação contra empresa que virtualmente eliminou candidato a emprego por conta de sua origem. Para constatar a veracidade (ou não) do fato e coletar provas ou indícios, o “teste de repetição” seria deflagrado com a atuação de atores à semelhança de agentes infiltrados. Um juiz haveria de autorizar a medida para sua utilização como prova do crime anterior, no virtual processo penal a ser instaurado.

Percebe-se o quanto o testing nos seria útil no combate à corrupção, ao tráfico de drogas e em muitas outras infrações. Neste caso, ao contrário da infiltração de repórter de televisão, a prova produzida com autorização judicial teria grande valor probatório. Serviria, inclusive, para que o administrador público pudesse eliminar focos de corrupção nos meandros mais ocultos e inalcançáveis da atividade criminosa.

Cumpre registrar que métodos e técnicas podem ser utilizados para reduzir ao máximo a voraz intromissão do Estado na vida privada dos cidadãos. Não é necessário que entre o crime e a persecução penal tenha-se que espremer cada vez mais o núcleo que dá vida a uma Constituição. A engenhosidade do delinquente está corroendo os alicerces do Estado de Direito democrático e deve ser antagonizada com inteligência, não com violações de direitos humanos.

Com as obras da Copa de 2014 a todo vapor, o test de situation seria uma grande arma contra a ganância e o oportunismo de corruptos. Além disso, amainaria o clima de insegurança que tem reduzido o turismo em nosso país. Arsenais eficazes, portanto, podem ser engendrados imediatamente. Que haja vontade política!

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 124 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal