Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

30/03/2012 - G1 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Prefeito pede prazo de 15 dias para esclarecer fraude em Uberaba

Maria Thereza não é mais secretária de Desenvolvimento Social. Segundo a denúncia, documentos eram forjados para justificar os gastos.

O Prefeito de Uberaba, Anderson Adauto, falou nesta sexta-feira (30), sobre as denúncias de fraude nos serviços de manutenção das ambulâncias. Ele alegou que as medidas necessárias estão sendo tomadas e que agora o serviço de ambulâncias na cidade é terceirizado e a manutenção de responsabilidade da empresa contratada. Em até 15 dias Adauto prometeu dar mais informações sobre o caso para a população.

“Eu tive a informação que houve problemas para consertar as ambulâncias. Eu falei com o secretário de saúde, Valdemar Hial, que abriu uma sindicância e depois averiguei o que estava sendo feito. Terceirizei as ambulâncias e se hoje ela estragar a empresa tem que colocar outra no lugar”, afirmou o prefeito.

Maria Thereza Rodrigues da Cunha, não é mais a secretária de Desenvolvimento Social. O afastamento foi anunciado nesta sexta-feira (30). Ela está sendo processada pelo período que ocupou a pasta da saúde em 2008. Segundo ela, a desocupação do cargo é por causa de uma nova oportunidade de trabalho na organização Pan-americana de saúde, em Brasília. “Estou a disposição da Justiça e tenho certeza que no momento oportuno tudo será esclarecido e eu vou ter a oportunidade de me defender”, concluiu Maria Thereza.

Esta semana, 19 pessoas foram indiciadas por irregularidades envolvendo a contratação de serviço de manutenção de ambulância sem licitação. Em menos de três anos, foram pagos R$ 500 mil a uma empresa. Segundo a denúncia da promotoria, os documentos eram forjados para justificar os gastos e mais de cem mapas de cotação foram fraudados.

Segundo a Secretaria de Saúde, em 2010 foi aberta uma sindicância para apurar a contratação da oficina sem licitação. Mas, de acordo com o Ministério Público (MP), também há irregularidades nos memorandos internos que indicam o início da investigação. Eles aparecem com datas de publicação e elaboração diferentes, seria uma estratégia para provar que o caso já estava sendo apurado.

O secretário de saúde, Valdemar Hial, afirmou não ter conhecimento do esquema. O que chamou a atenção da investigação é que mesmo depois do início da apuração interna, a mesma empresa continuou prestando o serviço. Em relação a isso, o secretário também disse não ter conhecimento. ”Não conheço nem quem é o dono da firma”, disse o secretário.

Anderson Adauto afirmou também não foi citado oficialmente e que desconhece detalhes da investigação. Mas garantiu o afastamento de funcionários envolvidos. “O que nós vamos fazer é afastá-los. Eu não preciso mais do que 15 dias para dar mais informações para a população”, ressaltou.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 245 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal