Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

21/03/2012 - Jornal de Negócios Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

JPMorgan fecha conta do Vaticano por considerá-lo cliente de "alto risco"

Por: Andreia Major


A filial italiana do JPMorgan anunciou ao Vaticano que irá encerrar a sua conta no próximo dia 30 de Março. Na origem do encerramento está o banco IOR, banco do Vaticano, não ter fornecido informações consideradas importantes pelo norte-americano.

Numa carta enviada em Fevereiro, o banco norte-americano anunciou que a conta do IOR, banco do Vaticano, será encerrada devido a falhas de comunicação de informações obrigatórias segundo a lei contra a lavagem de dinheiro, de acordo com o “Expansión”.

O que provocou a decisão do JPMorgan foi o facto do IOR não ter respondido aos pedidos de mais informação sobre alguns pagamentos transferidos da sua conta na filial de Milão, revela o JPMorgan, recordando que as actividades bancárias da sua filial estão reguladas “tanto pelas leis do Estado italiano como pelos seus regulamentos internos”.

O banco explica que, após ter recebido uma justificação insuficiente da parte do IOR, o que viola as normas vigentes, considera que “não tem informação suficiente para continuar a oferecer o serviço” à conta do Vaticano, segundo a carta citada pelo “Expansión”.

O banco do Vaticano, que é cliente do JPMorgan desde 2009, está a ser investigado já há algum tempo pela Procuradoria-Geral de Roma por alegadas violações da lei contra a lavagem de dinheiro.

No seguimento das investigações, o banco norte-americano classificou em 2010 a conta do Vaticano de “alto risco”, e avançou uma série de obrigações relativas a informações adicionais que o IOR teria de fornecer.

A conta do banco do Papa tem uma característica particular: todos os dias o seu saldo é posto a zero e os montantes são transferidos para a conta que o IOR tem no JPMorgan em Frankfurt. No último ano e meio movimentaram-se mais de 1,5 mil milhões de euros.

Em Outubro de 2011, após o pedido de informações sobre o IOR pela Procuradoria de Roma, o banco central italiano, Bankitalia, solicitou ao JPMorgan mais informação sobre o funcionamento da conta IOR. Por sua vez, o banco norte-americano transmitiu o pedido de informação ao Vaticano, o qual se negou a fornecer tais informações.

A imprensa italiana destaca que a decisão do JPMorgan é um sério obstáculo ao pedido do Vaticano para ser incluído na “Lista Branca” da OCDE, ou seja, na lista de países que estão na primeira fila contra a lavagem de dinheiro, de acordo com o "Expansión".

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 129 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal