Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

21/03/2012 - Correio da Manhã Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Ex-autarcas acusados de terem ficado com dinheiro

Por: Helena Silva


Os ex-presidente e ex-tesoureiro da Junta de Freguesia de Parceiros, Leiria, refutaram esta quarta-feira, em Tribunal, as acusações de peculato e falsificação que sobre eles recaem. São acusados de ter feito seus valores da Junta de Freguesia na ordem de 20 mil 254 euros, entre 2002 e 2005.

Na primeira sessão do julgamento, Abílio Domingos, ex-presidente, manifestou ter agido dentro do que considerava ser o procedimento normal, afirmando ter dúvidas em alguns dos valores constantes na acusação. Confrontado com as situações, admitiu que entregava e recebia da Junta todos os valores respeitantes ao combustível do seu veículo, sempre que se encontrava fora de Leiria e tinha que regressar aos Parceiros para “reuniões e situações inadiáveis”.

Admitiu, também, ter sido emitida uma factura no valor de cinco mil euros por uma empresa de construção, referente à pintura do cemitério quando, na verdade, se pretendia pagar um arranjo no Centro de Saúde. O documento foi entregue à Câmara de Leiria, que transferiu a verba para a Junta. O ex-autarca contou que esta pagou à empresa três mil euros, usando os restantes dois mil para pagar aos funcionários a que habitualmente recorria e que foram estes a realizar a pintura do cemitério.

Confrontado pelo Ministério Público sobre a legalidade do acto, o ex-autarca referiu pouco saber de contabilidade e remeteu responsabilidades para o ex-tesoureiro.

Este, Carlos Costa, que começou também a ser ouvido nesta sessão, afirmou que, ao fazer da parte do executivo, sempre pensou “estar a agir bem e em prol da população” e que só quando confrontado com a acusação percebeu que não fora assim. Alegou que, na época, tinha pouco conhecimento da contabilidade das autarquias, que o programa contabilístico adoptado tinha “muitos erros” e que, numa grande parte das situações, usava a experiência do então presidente que tinha sido tesoureiro no mandato anterior.

Na próxima sessão, marcada para 10 de Abril, será ouvido o secretário da Junta, Manuel Custódio e as primeiras testemunhas.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 172 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal