Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

20/03/2012 - Folha de São Paulo Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Empresa ligada a calote pede novo incentivo

Por: Felipe Seligman e José Ernesto Credendio

Grupo conectado a prejuízo a cofres públicos há mais de 15 anos, segundo a Fazenda, quer construir montadora de novo. Fazenda Nacional obteve na Justiça decisão que bloqueia o uso das marcas Towner e Topic pela CN Auto.

Uma empresa que, de acordo com o Ministério da Fazenda, tem ligações com um calote bilionário contra o governo anunciou planos de construir uma fábrica de carros no Brasil em troca de incentivos -exatamente a mesma promessa que gerou o prejuízo aos cofres públicos há mais de 15 anos.

O elo entre a primeira empresa, a AMB (Asia Motors do Brasil), e a segunda, CN Auto, é o empresário Washington Armênio Lopes, que, segundo uma ação da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, aparece nos quadros societários dos dois grupos.

Armênio Lopes é um dos sócios brasileiros da AMB, empresa responsável por um dos maiores escândalos empresariais da década de 1990.

O quadro societário da AMB era formado pela coreana Kia e um grupo de brasileiros, responsáveis de fato pela gestão da empresa.

A AMB foi beneficiada pelo regime automotivo dos anos 1990. Recebeu incentivos fiscais do regime automotivo na importação de utilitários coreanos -que no Brasil receberam o nome de Towner e Topic- em troca da construção de uma fábrica da Kia no Estado da Bahia, que nunca saiu do papel.

Como a fábrica não foi construída, a Receita Federal inscreveu o incentivo na dívida com a União. Até o ano passado, o valor chegava a cerca de R$ 2 bilhões.

A coreana e os empresários locais se desentenderam e travaram disputas judiciais, inclusive no exterior, para saber de quem seria a responsabilidade pela dívida.

No ano passado, a Justiça reconheceu que a Kia não poderia ser cobrada pela dívida, pois teria sido enganada pelos sócios brasileiros, com Armênio Lopes à frente.

INDÍCIOS

Também em 2011, a Fazenda informou à Justiça Federal ter descoberto "fortes indícios de formação de grupo econômico" entre a hoje falida AMB e a CN Auto. O jargão significa, na prática, que o governo poderia cobrar da CN a dívida da AMB.

O governo tenta até hoje, sem sucesso, recuperar o dinheiro, já que a AMB estava falida e a Kia não poderia ser responsabilizada.

A Fazenda Nacional apurou que carros com o selo Towner e Topic voltaram a entrar no país, mas agora importados da China.

A Fazenda descobriu, então, que as marcas ainda pertencem à AMB, mas foram cedidas à CN Auto. Armênio Lopes, que até hoje é dono da primeira, também aparece, com um filho, entre os sócios da segunda.

INTENÇÕES

O curioso é que a CN Auto planeja construir uma fábrica no Espirito Santo, esperando apenas o resultado do novo regime automotivo.

Enquanto o programa federal não sai, a CN Auto assinou um protocolo de intenções com o governo do Espírito Santo, em que se compromete a investir R$ 250 milhões em troca de benefícios fiscais estaduais.

A CN também aguarda a decisão da presidente Dilma Rousseff sobre o novo regime automotivo para tentar se beneficiar dele.

A Fazenda Nacional já obteve na Justiça uma decisão que bloqueou a utilização das marcas Towner e Topic pela CN Auto.

Mais do que isso, a Justiça determinou que essa empresa revele se firmou contrato com AMB.

A decisão da Justiça é do fim do ano passado, mas até hoje as informações não foram prestadas.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 848 vezes




Comentários


Autor e data do comentário: Fernando soares de Souza - 25/03/2012 00:38

Será que este povo ainda vai conseguir, fazer tudo de novo. Conforme está andando as coisas neste país tudo e provável.



O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal