Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

15/03/2012 - Aquidauana News Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

PF prende 16 em operação contra a falsificação de agrotóxico


A Polícia Federal em Rondonópolis, no Mato Grosso, deflagrou ontem a Operação São Lourenço de combate à falsificação, comercialização e contrabando de agrotóxicos. Dezesseis pessoas foram presas e cinco estão foragidas. Os agentes também cumpriram 37 mandados de busca e apreensão e 13 mandados de condução coercitiva nos Estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e São Paulo.

As investigações começaram em 2010, com a instauração de 10 inquéritos em diferentes flagrantes de contrabando e/ou falsificação de agrotóxicos. Durante a fase inicial da operação, a PF desmantelou duas fábricas clandestinas de agrotóxicos e apreendeu mais de 7 t de agrotóxicos ilegais (falsificados e contrabandeados), diversas embalagens, rótulos, e materiais utilizados na falsificação.

Foram identificados dois grupos criminosos. Um deles era responsável por contrabandear do Paraguai, via Mato Grosso do Sul, e falsificar e vender agrotóxicos. O outro grupo era composto por fazendeiros consumidores do produto.

Conforme a PF, a mercadoria era oferecida a fazendeiros da região de Rondonópolis e do interior de Mato Grosso a preços mais baixos - no mercado, o quilo dos agrotóxicos pode chegar a R$ 20 mil. Na venda, os criminosos ofereciam uma amostra de defensivo agrícola original. Após comprarem o produto, os fazendeiros recebiam toneladas dos materiais falsificados ou contrabandeados.

Segundo a polícia, os fazendeiros lesados pelos falsificadores não denunciavam a fraude porque compravam o produto de maneira irregular. Em alguns casos, agrotóxicos contrabandeados que não tinham alteração química eram comprados dos mesmos fornecedores. Os fazendeiros foram indiciados por contrabando, compra irregular de agrotóxicos e compra de produto nocivo à saúde humana em desacordo com a legislação específica.

Os vendedores e falsificadores responderão por formação de quadrilha, falsificação, contrabando e crime ambiental. Dois irmãos que comandavam o grupo já foram presos por tráfico de drogas, estelionato, falsificação e uso de documento falso, crimes contra o sistema financeiro, além de serem reincidente no contrabando de agrotóxicos. Além deles, outros membros do grupo já responderam criminalmente por assalto, falsificação e uso de documentos falsos, furto e receptação. Alguns são reincidentes no crime de formação de quadrilha.

As penas dos presos variam de um a quatro anos de reclusão, além de multa. As punições são cumulativas e podem chegar a mais de 15 anos de reclusão.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 136 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal