Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

28/09/2007 - Consultor Jurídico Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Agente da PF é acusado de dar cobertura para quadrilha


O Ministério Público Federal em Petrolina (PE) entrou com Ação Civil Pública para pedir a condenação por improbidade administrativa do agente da Polícia Federal, Márcio Roberto de Figueiredo Habib, que trabalha da Delegacia da PF em Juazeiro (BA). Ele é acusado de dar suporte e proteção a uma quadrilha que usava a internet para furtar contas bancárias.

Na ação, os procuradores da República Vanessa Gomes Previtera e Pablo Coutinho Barreto pedem também que o policial seja condenado a pagar R$ 100 mil por danos morais causados à população e à União. O MPF quer, ainda, que a Justiça Federal determine, liminarmente, o afastamento de Márcio Roberto das funções que exerce na PF.

De acordo com o Ministério Público, o policial informava os integrantes da quadrilha sobre diligências e procedimentos de investigação em sigilo da delegacia da PF em Juazeiro, responsável por investigar o grupo criminoso. Para o MPF, as interceptações telefônicas feitas com autorização judicial, assim como depoimentos de integrantes da quadrilha e de testemunhas, demonstram claramente o vínculo entre Márcio Roberto e os envolvidos na fraude.

Em 2006, parte de uma operação da PF foi frustrada porque o policial teria informado aos criminosos sobre a ida de uma equipe da PF de Juazeiro a Salvador, para cumprir mandados de prisão temporária e busca e apreensão. O repasse da informação sigilosa possibilitou a fuga de Everton de Oliveira Gonçalves, um dos cabeças da quadrilha, que ainda está foragido.

O MPF também apurou que ligações telefônicas a cobrar foram feitas dos celulares dos envolvidos na fraude para a delegacia da PF em Juazeiro, nos dias de plantão do acusado.

Além de violação de sigilo funcional, o MPF acusa Márcio Roberto de crime de usura, mediante o empréstimo de dinheiro a juros excessivamente altos. Segundo consta da ação, “a agiotagem desenvolvida pelo réu lhe propicia um acréscimo patrimonial incompatível com sua remuneração oficial”.

Quadrilha

O grupo criminoso, desmantelado em 2005, possuía núcleos de atuação nas cidades baianas de Juazeiro, Remanso e Salvador. O MPF já denunciou Everton de Oliveira Gonçalves e outros envolvidos, que considera os mentores da fraude. O furto era feito por meio de programas de computador espiões, conhecidos como trojans ou cavalos-de-tróia, enviados para as máquinas das vítimas anexos a mensagens de correio eletrônico.

Ao acessarem os atalhos, as pessoas instalavam os programas espiões em seus computadores. Os números das contas bancárias e senhas de acesso eram captados quando a vítima acessava os sites das instituições bancárias. Depois, os vírus enviavam esses dados para o correio eletrônico de integrantes da quadrilha.

Ação Civil Pública 2007.33.05.001196-3

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 391 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal