Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

09/03/2012 - Diário do Nordeste Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Dono de empresa preso no Montese


O dono de uma loja de instalação de películas em veículos foi preso, ontem, por inspetores da Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF). Maurício Vieira Varão, 35, acusado de falsificar documentos e abrir a empresa e contas em cinco bancos, com dados fraudados, foi detido dentro do estabelecimento dele, situado na Avenida Gomes de Matos, no bairro Montese.

Segundo o titular da DDF, delegado Jaime Paula Pessoa Linhares, uma denúncia foi o ponto de partida para a investigação. "Tínhamos o nome verdadeiro e a informação de que ele havia aberto a empresa com os documentos obtidos a partir de uma certidão de nascimento falsificada", revelou.

Na Junta Comercial do Ceará (Jucec), os inspetores obtiveram cópias da documentação usada por Maurício para abrir a empresa ´Car Film Comércio de Película Ltda´. A fotografia era a dele, mas o nome, de Maurício Martins da Silva. O material possibilitou a comparação entre os documentos e a ficha criminal do acusado. Tratava-se de Maurício Varão, condenado pela Justiça Federal por falsificação de moeda e que também respondeu a dois processos na Justiça Estadual, por assalto e receptação.

Flagrante

Com a confirmação da fraude, a equipe da DDF, formada pelos inspetores Paulo Florentino, Carlos Dário e Fernando Nobre, foi à sede da empresa, no Montese. Lá, o acusado Maurício Varão acabou preso em flagrante.

Na empresa, os policiais civis apreenderam cartões de créditos no nome do personagem criado por ele, assim como talões de cheques e extratos bancários.

"Acreditamos que ele estava se preparando para dar um ´estouro´ no comércio", disse o titular da DDF. Conforme o delegado, em cada conta aberta com esses documentos, ele poderia obter cerca de R$ 50 mil. "Depois disso, ele ´queimaria´ esse personagem e partiria para outro", afirmou Jaime Linhares.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 430 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal