Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

17/02/2012 - RCM Pharma Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Cresce falsificação de medicamentos injectáveis


A revelação de que uma versão falsificada do fármaco contra o cancro Avastin® foi descoberta nos EUA ressalta uma ameaça nascente: cópias de terapias injectáveis, em vez de simples comprimidos como o Viagra®, avança o The Wall Street Journal.

A FDA, agência norte-americana que fiscaliza regula e alimentos, alertou médicos e outros profissionais de saúde recentemente sobre o risco de "medicamentos injectáveis contra o cancro que não foram aprovados pela FDA", como versões sem autorização dos medicamentos Herceptin®, Rituxan® e Neupogen®, que foram vendidos para clínicas e "muito provavelmente ministrados a pacientes".

A FDA também alertou em 13 de Janeiro a farmacêutica britânica AstraZeneca sobre "alguns casos de importação ilegal de medicamentos oncológicos para os EUA", como o quimioterápico injectável Faslodex®, segundo a empresa.

A FDA informou que esse Faslodex® não aprovado foi "muito provavelmente" ministrado a doentes. A AstraZeneca informou que "não tem provas" de que um fármaco importado ilegalmente tenha entrado na cadeia de suprimento de medicamentos legítimos nos EUA ou de qualquer outro país.

Uma porta-voz da Amgen, fabricante do Neupogen®, disse que não tem conhecimento de falsificações dos seus produtos no mercado americano. Mas disse que a Amgem está a cooperar com uma investigação da FDA sobre importações ilegais de um produto não identificado e não aprovado para venda nos EUA, que está a ser vendido na internet e directamente a clínicas.

No passado, a maioria dos incidentes de falsificação de medicamentos envolvia comprimidos como o fármaco contra impotência Viagra®, o mais falsificado de todos, segundo o seu fabricante, a Pfizer, com mais de 9,5 milhões de cópias confiscadas no ano passado. Mas, cada vez mais, terapias complexas como o Avastin®, ministrado por via intravenosa, estão a ser falsificadas, afirmam as farmacêuticas.

Os medicamentos injectáveis têm-se tornado cada vez mais atraentes para os falsificadores, em parte porque geralmente são mais caros do que os comprimidos. Cada ampola do Avastin®, fabricado pela Genentech, filial da Roche, custa 2.400 dólares.

Hugh Pullen, director associado de assuntos governamentais europeus da Eli Lilly, disse que a falsificação de produtos como esses é um "fenómeno crescente" e algo que a Lilly está "a monitorizar muito atentamente".

Os falsificadores estão a tentar copiar "de tudo, desde medicamentos patenteados aos sem patente, desde os caros aos baratos", disse John Clark, director de segurança da Pfizer. O Viagra® falsificado respondeu por 85% das cópias confiscadas de remédio da Pfizer, um percentual que já atingiu de 95% no final da década de 1990, quando a falsificação revelou-se um problema sério.

O número de relatos de falsificações de medicamentos biológicos injectáveis, como o Avastin®, ainda é pequeno. Mas ele mais do que dobrou de 2005 a 2009, para 4% do total mundial de incidentes de falsificação, segundo os dados mais recentes do Instituto de Segurança Farmacêutica, uma organização sem fins lucrativos de farmacêuticas. Um terço dos injectáveis falsificados era de tratamentos contra o cancro.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 282 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal