Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

30/01/2012 - O Estado de São Paulo / Ag. Estado Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Google, Yahoo e Microsoft unem esforços para combater e-mails falsos

Por: Nayara Fraga


E-mails falsos supostamente enviados por empresas reais, como instituições financeiras, quase já não impactam tanto o usuário médio. Acostumado a receber spams e mensagens estranhas, ele, geralmente, duvida de tudo — até do que não deveria e do que o banco tanto quer que seja lido.

Diminuir essa insegurança é um dos objetivos do DMARC.org, grupo de trabalho composto por 15 empresas que planeja promover um conjunto de tecnologias para reduzir drasticamente as mensagens de “phishing”, aquelas que tentam fazer o usuário acreditar que elas vêm de origem confiável. Esse tipo de e-mail costuma incluir logomarca e link para uma página falsa da empresa.

Google, Yahoo, Microsoft e AOL estão, nessa empreitada, ao lado de Bank of America e PayPal. Também apoiam a iniciativa o Facebook e a rede para conexões profissionais LinkedIn.

A ideia é que, com o sistema em prática e a autenticação dos e-mails, a relação virtual entre clientes e empresas seja outra. O cliente de um banco, assim, poderia confiar em um e-mail que peça para clicar em um link e, na página aberta, atualizar suas informações pessoais, por exemplo, diz o Wall Street Journal. O diário lembra que muitas companhias pedem a seus clientes para não confiar em mensagens como essa.

Bret McDowell, líder do DMARC e gerente sênior do PayPal, explicou ao jornal que as tecnologias criadas para evitar os e-mails fraudulentos não vai custar muito às companhias. Mas será necessário que elas identifiquem cada servidor que dispara e-mails e se assegurem de que a tecnologia está em uso. (Veja infográfico que explica, em inglês, como funcionaria o processo de autenticação.)

Hoje, apesar de tecnologias básicas serem adotadas para proteger e-mails, as mensagens enviadas nem sempre são autenticadas, e o usuário é forçado a detectar o que é real e o que é falso, diz o WSJ. “Quem envia e-mail também precisa de políticas que orientem provedores de e-mail a como lidar com mensagens não autenticadas”. Assim, o Yahoo, por exemplo, saberia avaliar a autenticidade do e-mail, bloqueando os falsos ou etiquetando alguns como suspeitos.

O acordo não deve pôr fim definitivo à fraude, como reconhece o próprio McDowell. Mas ele representa empecilho aos criadores desse tipo de vírus. Em vez de um e-mail enviado por paypal.com, eles teriam de criar um encaminhado por “paypalpayments.com” ou outro site falso, por exemplo, diz o WSJ. Ou seja, a mensagem seria ainda menos crível.


Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 128 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal