Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

24/01/2012 - G1 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Defensor recomenda não assinar cartão de crédito para evitar clonagem

Defensor público recomenda que cliente não assine o cartão. Dois foram presos na Paraíba por clonagem de cartões de crédito.

Com notícias frequentes de pessoas vítimas de clonagem de cartão de crédito e a recente prisão de dois jovens na Paraíba, flagrados esbanjando dinheiro com cartões falsos, é necessário que o consumidor fique alerta para evitar cair nesse tipo de golpe.

A primeira dica do defensor público Manfredo Rosenstock é que o dono do cartão não assine no verso. “Se você assina no seu cartão de crédito e você perde, aquela pessoa que pegar o seu cartão com certeza vai imitar a sua assinatura. Então é preferível não assinar atrás”, recomendou.

Para o defensor, atenção também é muito importante. Ele sugere que, ao utilizar o cartão, o consumidor fique atento à pessoa que vai passar a compra. “Para a clonagem do cartão basta ele pegar o número do seu cartão de crédito, anotar em algum lugar, e pegar o número da tarja de segurança que fica atrás. E aí ele pode comprar pela internet, fazer as compras que bem quiser e entender e o consumidor do cartão só vai descobrir que seu cartão foi clonado quando chegar a conta”, explicou.

Caso o cliente do banco tenha o seu cartão clonado, a primeira coisa a se fazer deve ser ligar para a operadora e cancelar o cartão. Depois, é necessário procurar uma delegacia para fazer um boletim de ocorrência. Se a devolução do dinheiro demorar mais de 30 dias para acontecer, a pessoa prejudicada deve procurar um órgão de defesa do consumidor.

“E pode também através da defensoria publica procurar o juizado especial para que seus direitos sejam ressarcidos”, acrescentou Rosenstock.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 124 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal