Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

20/12/2011 - Mídia News Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Polícia solta quatro suspeitos de fraude milionária

Por: Rafael Costa

Advogados, servidor público e economista prestaram depoimento na Delegacia Fazendária.

Cinco detidos durante a Operação Cartas Marcadas, deflagrada pela Polícia Civil, na semana passada, já estão soltos, após colaborarem com as investigações em seus interrogatórios.

O primeiro a ganhar a liberdade foi o advogado Ocimar Campos, concunhado do deputado estadual Gilmar Fabris (PSD), preso em Ribeirão Preto (SP) pela suspeita de intermediar, junto à Procuradoria Geral do Estado (PGE), a liberação da emissão de cartas de créditos superfaturadas, conforme aponta a Polícia Fazendária.

De acordo com levantamento da Auditoria Geral do Estado (AGE), houve superfaturamento de R$ 253 milhões.

Também ganharam liberdade, após colaborar com o interrogatório, o economista Antônio Pereira Leite, o servidor da Sefaz (Secretaria de Estado de Fazenda), Enildo Silva Martins, e o advogado Enelson Alessandro Nonato.

Deve ser solto, nesta terça-feira (20), José Constantino, ex-presidente do Sindicato dos Agentes de Administração Fazendária (Saaf-MT).

Todos foram presos provisoriamente pelo prazo de 5 dias, mas, de acordo com a Polícia Civil, não houve necessidade de renovação, diante da contribuição para com as investigações.

O trabalho de investigação da Polícia Civil ainda prossegue com os interrogatórios do senador Blairo Maggi (PR) e do deputado estadual Gilmar Fabris (PSD).

Por conta do foro privilegiado, ambos decidirão em qual horário, data e local deverão ser ouvidos.

A decisão do delegado Lindomar Toffoli de interrogar Maggi se deve às suas assinaturas, enquanto governador do Estado, que autorizaram a emissão de cartas de crédito.

Em relação a Fabris, se deve à suspeita de ser beneficiário das supostas ilegalidades. O parlamentar é um dos responsáveis pela intermediação de um acordo dos agentes fazendários com o Estado, para receber direitos financeiros em cartas de crédito.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 191 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal