Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

15/12/2011 - R7 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Chefes do jogo do bicho manipulam resultados para evitar prejuízos, diz delegado

Por: Marcelo Bastos

Quando havia chance de muitos ganharem, resultado era mudado para não “quebrar banca”.

As investigações da Coinpol (Corregedoria Interna da Polícia Civil) na operação Dedo de Deus revelaram que os chefes do jogo do bicho em grande parte do Estado manipulavam os resultados dos jogos para evitar grandes prejuízos e a possível “quebra da banca”. A informação foi passada pelo delegado Glaudiston Galeano Lessa. Somente durante a manhã desta quinta-feira (15) foram presas 37 pessoas, que vão responder por corrupção ativa, corrupção passiva, formação de quadrilha e jogo do bicho.

- Quando os contraventores percebem que há um grande número de apostas iguais e que há a possibilidade de muitas pessoas ganharem, eles alteram o resultado do jogo. Isso foi comprovado durante as investigações.

A promotora Angélica Glioche, do Gaeco (Grupo de Apoio Especial ao Crime Organizado), do Ministério Público, disse que o jogo do bicho só existe porque existem essas quadrilhas organizadas para mantê-lo.

- O jogo de bicho não é algo inocente, movimenta milhões de reais por mês. Eles passaram a substituir o jogo feito no papel pelo jogo on line, eletrônico. Desse jeito, o contraventor pode controlar as apostas onde ele estiver. Ao contrário do que eles dizem, não vale o escrito. Eles manipulam resultados.

As investigações revelaram também que empresas fora do Rio ajudavam a manter a exploração do jogo ilegal no Rio. A empresa Projeta, com sede em Salvador, na Bahia, onde uma pessoa foi presa, fornecia as máquinas para as apostas eletrônicas, como explica o delegado Felipe do Vale, da Coinpol.

- Essa empresa adaptava máquinas de cartões de crédito para serem usadas no jogo ilegal. Essa empresa fornecia softwares [programas de computador], sistema operacional, os chips das máquinas, redes de intranet e até assistência técnica. Cada máquina era comprada por R$ 1.200. Um funcionário dessa empresa costumava estar sempre no Rio. Ele frequentava até o camarote da escola de samba Grande Rio. Essa empresa recebia ligações de vários Estados e regiões do país, o que indica que eles prestam serviços para o Brasil todo.

Em Pernambuco funcionava uma gráfica que imprimia talões para as apostas do jogo do bicho. Cerca de 90% do material apreendido no local era destinado às apostas ilegais. Os bicheiros costumavam comprar de uma gráfica de Belo Horizonte (MG), mas a empresa de Recife tinha preços melhores e passaram a ter preferência.

No Maranhão, a empresa Grande Rio Diversões Eletrônicas foi alvo da polícia e uma pessoa foi presa. Segundo a Coinpol, esta empresa prestava assistência técnica e de equipamentos aos contraventores.

A operação tem participação de 630 policiais, 120 delegados, 250 carros, dois helicópteros e um carro blindado e levou dez dias para ser planejada. Segundo Lessa, o uso de helicóptero para chegar até a cobertura de Anísio aconteceu porque a polícia tinha informações de que na casa havia cômodos com portas blindadas e precisava de agilidade para chegar ao local.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 675 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal