Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

18/12/2011 - Diário de Cuiabá Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Servidora é suspeita de desviar R$ 7 mi

A funcionária estaria encaminhando ofícios falsos ao BB e à CEF, simulando ordens judiciais e indicando contas bancárias para pagamento de indenizações.

Desde a semana passada, Márcia de Fátima Pereira, funcionária da 2ª Vara do TRT (Tribunal Regional do Trabalho), em Brasília, está sendo investigada. Ela é a principal suspeita de ter desviado cerca de R$ 7 milhões de depósitos judiciais - aqueles feitos para pagar indenizações determinadas pela Justiça trabalhista. A informação foi publicada pelo jornal "Correio Braziliense".

Funcionária exemplar, Márcia chegava pontualmente às 9h e saía, quase sempre, após o fim do expediente, às 18h. Não se incomodava em ser a faz-tudo do local de trabalho: atendia advogados no balcão, organizava festas de aniversário e redigia ofícios para liberação de pagamentos ordenados pela Justiça.

OFÍCIOS

Segundo investigações preliminares da corregedoria do TRT, a funcionária encaminhava ofícios falsos ao Banco do Brasil e à Caixa Econômica Federal, simulando ordens judiciais e indicando contas bancárias para pagamento de indenizações. Mas essas contas eram da própria funcionária, de seu companheiro e de parentes dela.

A Polícia Federal abriu uma investigação depois que fraude foi descoberta por acaso, no começo de dezembro. Em uma visita de rotina à vara, uma advogada percebeu que havia registros oficiais da liberação de um dinheiro que nunca chegou ao bolso de seu cliente e comunicou os chefes de Márcia de Fátima.

Depois de descoberta a fraude, um outro advogado informou ao tribunal que foi enrolado por mais de cinco meses pela funcionária sobre seus pagamentos.

A Justiça havia mandado liberar o dinheiro, mas a servidora alegava problemas burocráticos para cumprir a ordem. Na verdade, os valores já haviam sido transferidos para contas do esquema.

INVESTIGAÇÕES

Mesmo com as investigações ainda em andamento, a Justiça ordenou o bloqueio de bens e contas bancárias dos envolvidos. Em uma das contas, havia R$ 3 milhões. Dez carros foram localizados em nome de suspeitos.

Márcia de Fátima está afastada do cargo que ocupava (assistente do diretor da vara) e há duas semanas não aparece no tribunal. Servidora da prefeitura de Luziânia (GO), ela foi cedida ao TRT em 2002 e desde 2006 trabalhava na 2ª Vara.

Os investigadores não descartam a participação de outras pessoas. Porém, o presidente do TRT, Ricardo Alencar Machado, acredita que foi um desvio individual. "Todos os servidores estão se sentindo traídos e chocados", diz.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 125 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal