Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FRAUDES NAS EMPRESAS

Veja aqui a programação deste importante treinamento programado para o dia 26/04 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

28/11/2011 - ParanaShop Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

“Fraude na CNH é, sobretudo, falta de caráter”, diz policial


Como diminuir as tragédias no trânsito, alvo da Década de Ação pela Segurança no Trânsito, se ainda existem pessoas que falsificam a Carteira Nacional de Habilitação (CNH)? Erros no trânsito estão ligados a comportamento, mas podem também estar vinculados à formação do condutor, ou melhor, falta de formação.

Os nomes das operações da Polícia Rodoviária Federal contra fraudes e falsificações de Carteiras Nacionais de Habilitação explicam o procedimento dos criminosos para falsificar o documento de identificação mais completo do Brasil: Cartas Marcadas e Carta Branca. Realizadas, respectivamente, em 2007 e 2008, as duas ações da Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal expuseram uma realidade assustadora que circunda o trânsito: pessoas que não têm capacidade de dirigir, que não passaram pelo curso de formação de condutores, até analfabetas, comprando carteiras de motorista. A fraude na emissão das CNHs fica ainda mais preocupante quando inserimos o contexto de funcionários corruptos em órgãos fiscalizadores do trânsito e os centros de formação desses condutores comercializando o documento.

“O grande problema é a falta de caráter”, inicia José Guedes, Presidente do Sindicato das Auto Moto Escolas e Centro de Formação de Condutores no Estado de São Paulo. Para ele, existem dois tipos de situações: aqueles que obtêm documentos falsos de maneira ilícita e outros que conseguem a habilitação pelos meios legais, isto é, com a conivência dos órgãos competentes, porém de forma ilegítima. “Nesse último caso, infelizmente, pesa a questão cultural. A cultura brasileira ainda tem muito da Lei de Gerson, de pessoas que querem levar vantagem em tudo que fazem, mesmo se tiverem que pagar mais caro por isso. E é o que acontece na maioria das situações”, diz.

Para Guedes, tanto o usuário, a autoridade e os responsáveis por autoescolas devem ser penalizados. “É preciso que a legislação seja aprimorada para ter mais mecanismos para punir esse tipo de infrator. Quem comete esses tipos de desvio não pode ficar impune”, afirma. “É preciso que a sociedade se conscientize de que o processo de formação de condutores deve ser levado a sério. A CNH pode ser comparada a um porte de arma. Quem frauda o processo e faz mau uso da habilitação vai sofrer as consequências, estará prejudicando a si mesmo e ao restante da sociedade”, enfatiza.

Motivo de vergonha para a classe dos que formam os condutores, o crime de falsificação de CNH, já foi mais comum, segundo José Augusto Tyrka, chefe substituto do setor de Policiamento e Fiscalização da Polícia Rodoviária Federal do Paraná. “Quando entrei na corporação, em 94, enfrentávamos uma defasagem muito grande de tecnologia e também na mentalidade do motorista. Naquela época, apreendíamos muitos veículos irregulares, encontrávamos motoristas sem carteira e com a habilitação falsificada. Hoje, acredito que esse crime não seja mais tão frequente. Não é um levantamento exato, mas creio que apreendamos, no máximo, um ou dois motoristas com CNH falsa”, relata.

O inspetor avalia que essa nova mentalidade do condutor, mais consciente da necessidade da segurança no trânsito, se deve à fiscalização continuada. “Nossa atuação é embasada no Código de Trânsito Brasileiro, nos utilizamos de blitze e outras ações. E, já nesse primeiro contato, conseguimos identificar a qualidade do papel e se faltam alguns dados. A segunda forma é o cadastro: faz-se uma pesquisa para ver se o prontuário existe”. No entanto, diz o policial, “isso também não garante que a CNH não seja falsa. Há muito desvio de documentos, corrupções das autoescolas. Ou seja, fraude da CNH é, sobretudo, falta de caráter”, finaliza.

Sobre a Perkons

A Perkons é uma empresa especializada em tecnologia para segurança e gestão integrada de tráfego. A Perkons tem experiência em fiscalização eletrônica de trânsito e foi pioneira neste mercado no país com a invenção da lombada eletrônica em 1992.

Hoje, sua atuação é voltada para o desenvolvimento de produtos e projetos que ofereçam soluções tanto para a segurança quanto para uma gestão completa do trânsito. A experiência acumulada nestes 18 anos permite a empresa oferecer um mix de produtos e serviços que auxiliam os gestores públicos no planejamento urbano e gestão de tráfego. Entre as expertises da empresa está a elaboração de estudos e projetos que auxiliam na tomada de decisões para a conquista de um trânsito mais fluido e seguro. Todo o trabalho desenvolvido pela empresa tem base em uma estrutura tecnológica que permite o acompanhamento do trânsito em tempo real, fiscalização de infrações, contagem de fluxo e identificação da frota por categoria e tamanho. A reunião dessas informações oferece aos gestores um raio x completo do trânsito e do comportamento do motorista.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 112 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal