Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FRAUDES NAS EMPRESAS

Veja aqui a programação deste importante treinamento programado para o dia 26/04 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

30/11/2011 - Reuters Brasil Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Quênia fica com o pior lugar em ranking de crimes econômicos

Por: James Macharia


NAIRÓBI (Reuters) - O Quênia registrou o nível mais elevado de criminalidade econômica entre 78 países pesquisados no ano passado, com a ascensão do roubo de bens e dinheiro nos negócios e nas empresas governamentais, mostrou um relatório da empresa de consultoria PwC na quarta-feira.

O Quênia tem a reputação de ser um dos países mais corruptos do leste da África e o seus Judiciário é famoso pela lentidão nas decisões e pela corrupção. O governo declarou várias vezes que em combatendo esses problemas.

A incidência de crimes econômicos no país, de 66 por cento, é quase o dobro da média de 34 por cento para todos os países estudados pela pesquisa global, disse a PwC.

Depois do Quênia, veio a África do Sul entre os com pior índice de criminalidade econômica. Depois vêm outros países africanos, a Grã-Bretanha, a Nova Zelândia e a Espanha, que apresentou níveis de fraude similares aos da Austrália.

O Quênia havia ficado em segundo lugar no ranking, depois da África do Sul, em 2009, data da pesquisa anterior.

O Japão registrou o menor índice de criminalidade econômica, seguido por Indonésia, Eslovênia e Grécia, indicou a sondagem que incluiu respostas de agências governamentais e particulares.

Além do roubo, os empresários quenianos indicaram ter sido afetados por fraude na contabilidade, suborno, corrupção e lavagem de dinheiro.

"A criminalidade econômica está subindo em nível mundial, mas está se acelerando no Quênia", disse Martin Whitehead, sócio da PwC e chefe da unidade de serviços forenses da empresa.

Whitehead disse que a criminalidade econômica está em expansão porque muitas organizações quenianas têm uma atitude um pouco arrogante com relação ao problema e não reportam os crimes à polícia; outros citaram a falta de confiança no processo judicial.

A maioria dos fraudadores era composta por homens entre 30 e 40 anos, com ao menos um diploma universitário e em geral trabalharam cerca de 5 anos na empresa que fraudaram, disse Whitehead.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 98 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal