Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

16/09/2007 - paraiba.com.br Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Empresa usa curso para tirar dinheiro de candidato


Grávida e desempregada, a designer Patrícia Borbolla, 23, acreditou que, se fizesse um curso de treinamento em telemarketing, voltaria prontamente para o mercado.

"A empresa informou que custo era de R$ 360, dividido em duas vezes. Prometeram que eu teria um emprego."

Depois de pagar a taxa, Borbolla diz que não conseguiu vaga nas aulas. "Falavam que a sala estava lotada. Depois disseram que eu não tinha cadastro. O que eu fiz? Chorei muito."

Segundo o promotor José Luiz Bednarsky, a tática de vender cursos é uma das mais usadas pelas empresas que enganam os profissionais. Outra é chamar desempregados de outros Estados para entrevistas que só acontecerão mediante pagamento adiantado.

O desespero para conseguir um emprego levou a administradora de empresas Roberta Tercette, 32, a cair duas vezes no golpe. "Na primeira agência, cobraram R$ 500 para o processo de seleção. Na segunda, R$ 80 de teste psicológico."

Não são apenas os desempregados as vítimas mais comuns. A ansiedade para estrear no mercado faz de estudantes e recém-formados presas fáceis.

A arquiteta Adriana Victorelli, 25, conta que, quando estava no penúltimo ano da faculdade, a empresa de recrutamento e seleção Gatework ligou para ela comparecer a uma entrevista.

"Era meio período e salário de R$ 1.500, quase impossível para um estudante", lembra.

Mas o estágio dos sonhos tinha um preço: dois cheques de R$ 250. "Depois me arrependi. Só consegui resgatar um cheque, tive de sustar o outro. Não caí no conto, mas tropecei."

No site do Tribunal de Justiça constam 63 processos contra a Gatework, cuja página na internet está desativada. A reportagem não localizou a empresa.

Ônus da prova

Mesmo que não esteja no contrato, promessas verbais valem como prova, segundo a professora da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica) Suzana Cata Preta, especialista em direito do consumidor.

"Quem tem de provar que não prometeu o emprego é a empresa e não o consumidor."

Quem foi lesado pode procurar a Fundação Procon ou entrar com ação no Juizado Especial de Pequenas Causas.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 336 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal