Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

10/11/2011 - Correio do Estado Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Fundação acusada de usar nomes de alunos em fraude

Por: Fábio Dorta


Mais de 20 inquéritos foram instaurados nas delegacias de Dourados da Polícia Civil contra a Fundação Biótica, por ex-integrantes do Programa Projovem Trabalhador. Eles acusam a Biótica, que é uma Organização Não-Governamental (ONG) com sede em Campo Grande, de ter aberto na Junta Comercial empresas fantasmas em seus nomes para justificar despesas e metas do programa.

A fundação fez um contrato com a Prefeitura de Dourados no valor de cerca de R$ 3 milhões, na gestão do ex-prefeito Ari Artuzi (PMN) para gerenciar o programa do Ministério do Trabalho e Emprego. Deste total, a ONG recebeu cerca de R$ 1,3 milhão.

Conforme os denunciantes, o motivo da criação de empresas fantasmas seria uma forma de garantir, mesmo de forma fraudulenta, o cumprimento da meta de colocar pelo menos 30% dos alunos para poder firmar novos convênios nos próximos anos.

O delegado José Roberto Batistela, titular do 1º Distrito Policial de Dourados, disse ao Correio do Estado que, por causa do grande número de alunos do ProJovem que registraram queixas contra a Fundação Biótica, vários delegados foram designados para presidir os inquéritos, que ainda estão em fase inicial.

Os boletins de ocorrência que deram origem aos inquéritos foram feitos entre o final de agosto e o início de setembro e o prazo de 30 dias para conclusão expirou, mas será dilatado para que os trabalhos posam prosseguir. "São vítimas distintas e, com isso, os inquéritos são individuais e estão nas mãos de vários delegados. Nós, inclusive, já solicitamos à Justiça a dilação de prazo para a conclusão dos inquéritos", afirmou Batistela.

O estudante de jornalismo Diego Lima, 20 anos, um dos alunos do ProJovem, que teve uma empresa aberta em seu nome à revelia (um salão de beleza) disse que está esperando ser convocado para prestar depoimento. "Eu registrei a queixa na delegacia e agora aguardo ser chamado, o que ainda não ocorreu", afirmou.

Indícios

Logo depois que Ari Artuzi foi preso na Operação Uragano da Polícia Federal, em setembro do ano passado, começaram a pipocar denúncias de irregularidades envolvendo o ProJovem Trabalhador e a vereadora Délia Razuk (PMDB), que era prefeita interina, decidiu suspender o repasse de recursos. Quando o prefeito Murilo Zauith (PSB) assumiu o cargo determinou que a Secretaria Municipal de Assistência Social fizesse um levantamento completo da situação.

Ao confirmar que existiam fortes indícios de irregularidades, principalmente em relação ao número de alunos atendidos, a secretária Ledi Ferla suspendeu o contrato e encaminhou o resultado do levantamento para o Ministério Público Federal (MPF) que, a exemplo da Polícia Civil também investiga o caso.

Ferla também não efetuou o pagamento de R$ 1,8 milhão do saldo final do contrato. Ela disse que os recursos estão bloqueados e deverão ser devolvidos ao Ministério do Trabalho e Emprego.

O MPF confirmou que as denúncias estão sendo investigadas, mas que ainda nenhuma pessoa ou empresa foi denunciada. Conforme a assessoria de comunicação, ainda não há comprovação formal da abertura de empresas fantasmas em nome dos alunos inscritos no programa.

Desvios de recursos oriundos do ProJovem também estão sendo apurados em nível nacional, comprometendo a administração do ministro Carlos Lupi (PDT). Segundo reportagem da revista Veja, caciques do PDT teriam transformado os órgãos de controle da pasta em instrumento de extorsão.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 291 vezes




Comentários


Autor e data do comentário: jorge pedrinho pfitscher - 26/12/2011 11:58

Antes de publicar uma notícia que certamente prejudica muitas pessoas que se empenharam para realizar uma tarefa árdua e importante como a capacitação, é melhor se informar da verdade que está em http://funbio-biotica.blogspot.com/2011_08_22_archive.html e em http://funbio-biotica.blogspot.com/2011/12/decisao-da-prefeitura-de-dourados.html



O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal