Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FRAUDES NAS EMPRESAS

Veja aqui a programação deste importante treinamento programado para o dia 26/04 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

27/10/2011 - Diário de Notícias / Lusa Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Tribunal condena a três anos de prisão advogada que falsificou cinco documentos

Por: Emanuel Silva


O Tribunal de Mértola condenou ontem a três anos de prisão efetiva, por cinco crimes de falsificação de documento, uma advogada que falsificou quatro certidões e um alvará de licença, que deviam ter sido emitidos pelo município local.

O coletivo considerou provada a maioria dos factos imputados à advogada Cecília Palma, de 45 anos, e condenou-a a uma pena única de três anos de prisão, que poderia ser suspensa, mas os juízes decidiram torná-la efetiva.

Segundo o juiz presidente, o coletivo decidiu aplicar a pena de prisão efetiva porque a arguida não assumiu a autoria dos factos, não mostrou arrependimento e não demonstrou interesse no processo, já que faltou à primeira sessão do julgamento, alegando motivos de doença, e na segunda sessão escusou-se a falar.

O coletivo considerou "graves" os cinco crimes de falsificação de documento, já que foram cometidos por Cecília Palma no exercício das suas funções como advogada e em representação de outras pessoas, suas clientes.

Ao produzir, alterar e facultar os documentos falsificados, "fazendo crer" que eram oficiais, a arguida "quis por em causa a fé pública" que os documentos, como meio de certificação oficial do Estado, devem "merecer", refere o acórdão.

Segundo a matéria dada como provada pelo coletivo, a arguida, em 2008, propôs-se regularizar a situação de casas na aldeia de Mina de São Domingos (Mértola), realizando, por conta e em representação dos outorgantes, escrituras de justificação notarial por usucapião no cartório notarial de Serpa.

Para a realização das escrituras, era pedido aos outorgantes um documento, emitido pela Câmara de Mértola, a comprovar que as casas tinham sido construídas antes de 1951 e, por isso, estavam isentas do alvará de licença de utilização.

Entre maio e dezembro de 2008, no cartório notarial de Serpa, celebraram-se escrituras de quatro casas na Mina de São Domingos, cujos outorgantes eram patrocinados pela arguida, que estava incumbida de requerer toda a documentação necessária para as escrituras.

Nas quatro escrituras, a arguida entregou três certidões e uma cópia de uma certidão supostamente emitidas pela Câmara de Mértola e comprovativas de que as casas tinham sido construídas antes de 07 de agosto de 1951.

O município nunca emitiu nenhuma das certidões apresentadas pela arguida nas escrituras e apenas emitiu, a 19 de maio de 2008 e a requerimento da
arguida, uma certidão, mas relativa a uma casa na freguesia de São João dos Caldeireiros.

Na posse deste documento, a arguida alterou-o, colocando os dados do prédio da primeira escritura e entregou-o para a realização da escritura a 29 de maio de 2008.

O mesmo fez com as certidões falsas que entregou nas outras três escrituras, que se realizaram em junho, agosto e dezembro de 2008.

A 22 de agosto de 2008, no cartório de Serpa, celebrou-se outra escritura de justificação notarial de uma casa na Mina de São Domingos em que a arguida exibiu uma fotocópia de um alvará de licença supostamente emitido pela Câmara de Mértola.

O município não emitiu o alvará e o documento exibido foi emitido pela arguida, que o certificou na qualidade de advogada e o entregou no ato da escritura.

Contatado ontem pela agência Lusa, o advogado de defesa de Cecília Palma escusou-se a prestar declarações e não disse se vai recorrer da decisão do coletivo.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 113 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal