Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

27/10/2011 - IT Web Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

VP do Bank of America ensina estratégia para inibir fraudes

Por: Vitor Cavalcanti

Bob Shiflet alerta que uma abordagem consistente de gestão de risco é essencial para atingir bons resultados.

A quantidade de fraudadores pegos pelo esquema montado pelo banco ele não diz, tampouco o investimento nas ferramentas tecnológicas utilizadas neste processo, mas Bob Shiflet, vice-presidente sênior de prevenção de fraudes do Bank of America, compartilha boas dicas para quem tem ou pretende montar uma organização de prevenção à fraude.

Na instituição que tem mais de 58 milhões de clientes – entre consumidores e pequenos negócios – se relacionando via web ou caixas eletrônicos, o alerta para prevenção de fraudes aconteceu já há algum tempo. Hoje, a empresa colhe os benefícios. Isso não significa, entretanto, que o trabalho acabou. Como lembra Shiflet, o novo perfil do consumidor, altamente conectado, e a sofisticação dos fraudadores redobram o trabalho.

“Os fraudadores estão mais organizados e com metodologias de ataques mais sofisticadas. Por outro lado, a indústria de prevenção, detecção e processos de recuperação em fraudes e também as capacidades de controle estão mais organizadas, integradas e sofisticadas”, pontua o executivo, ao participar do Premier Business Leadership Series, organizado pelo SAS Institute, em Orlando (EUA).

Com quase 18 mil caixas eletrônicos espalhados por todo o país e em torno de 45 milhões de usuários nos canais digitais, as informações que a equipe de Shiflet precisa avaliar e trabalhar vêm de todos os lados e lugares. A própria mobilidade, que tanto benefício trouxe ao mundo corporativo e às pessoas como um todo, tem sido um forte fator de risco a ser trabalhado, sobretudo, com o avanço do m-commerce. De acordo com os números levados pelo executivo, entre 2010 e 2015, o número de usuários com acesso móvel saltará 40%, de 2 bilhões para 2,7 bilhões. “Os consumidores estão mais conectados e a complexidade aumenta”, cita, ao comentar, também, o avanço das redes sociais. “E esses sites facilitam a engenharia social e o aumento do risco de fraude”, completa.

Para o VP, a complexidade do ciclo móvel não está apenas relacionada à quantidade de aparelhos. Trata-se de um ecossistema grande e integrado, onde “todos os devices representam algum tipo de risco”. Shiflet questiona a mobilidade até sob o ponto de vista legal: “Quem controla a regulação no caso desses devices? E é assim que o risco se manifesta.”

Framework

Gerenciar o risco de fraude e trabalhar a prevenção é algo muito trabalhoso e ele próprio diz que, para isso, conta com diversas ferramentas e algoritmos. O executivo lembra que a gestão do risco envolve: novas metodologias de fraude, capacidades do consumidor, novas expectativas de consumo, capacidades de controle de fraude e expectativas por parte das empresas. “É preciso prestar muita atenção nas capacidades adquiridas pelos clientes porque aí pode morar um grande risco. É preciso executar e definir claramente uma abordagem de gerenciamento de fraude que possa responder à pergunta: como o time de fraude controla taticamente o risco de fraude de forma balanceada?”

Para chegar a esse controle balanceado, a companhia precisa desenvolver um framework que considere os seguintes pontos: prevenção, detecção, recuperação e controle. Todo o processo deve levar em conta consumidor, risco e compliance, receita, risco à reputação, despesas e perdas com fraudes. Cada uma dessas dimensões precisa ter uma métrica muito bem definida, isso é fundamental na identificação de fraudadores.
Shiflet separa ainda três pontos chave que não podem faltar no seu framework:

- Abordagem consistente de gestão de risco de fraude;

- Linguagem comum e com boas definições; e

- Visão simplificada do complexo ambiente de controle (interno e externo).

*O jornalista viajou aos Estados Unidos a convite do SAS

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 178 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal