Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FRAUDES NAS EMPRESAS

Veja aqui a programação deste importante treinamento programado para o dia 26/04 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

21/10/2011 - Reuters Brasil Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Novo governo líbio terá dificuldade para reaver bens de Gaddafi

Por: Mark Hosenball


LONDRES (Reuters) - Os novos líderes da Líbia terão que procurar muito para encontrar os bilhões de dólares em dinheiro e ativos que Muammar Gaddafi e sua família esconderam em vários lugares do mundo, e depois enfrentarão obstáculos legais para recuperar todos, disseram especialistas nesta sexta-feira.

De acordo com os EUA, desde que as forças rebeldes começaram a lutar para afastar Gaddafi do poder, as Nações Unidas e vários países já localizaram e congelaram 19 bilhões de dólares em ativos que teriam estado sob o controle de Gaddafi ou associados dele.

Mas outras estimativas sugerem que Gaddafi controlava até 30 bilhões de dólares em ativos apenas nos Estados Unidos, além de bens importantes na Europa e África do Sul, disse Victor Comras, ex-especialista em lavagem de dinheiro junto às Nações Unidas e Departamento de Estado dos EUA.

"Gaddafi não era burro", disse Comras à Reuters. "A maior parte do dinheiro óbvio, guardado em bancos e instituições financeiras ocidentais, já foi localizada e congelada."

Como outros déspotas - foi o caso do iraquiano Saddam Hussein e de Mobutu Seso Seko, da República Democrática do Congo - Gaddafi "provavelmente guardou grandes valores sob nomes falsos em ou contas numeradas secretas, ou ainda em dinheiro vivo, metais preciosos e obras de arte colecionáveis e vendáveis guardados em cofres-fortes," disse Comras.

Outros ativos podem incluir participações acionárias em empresas e bens sob nomes falsos ou sob o controle de pessoas ligadas aos Gaddafis.

"Para encontrar esse dinheiro será preciso um trabalho financeiro forense avançado, e mesmo assim será difícil localizá-lo", disse Comras.

Juan Zarate, ex-funcionário da Casa Branca e do Tesouro norte-americano que comandou a busca pelos bens de Saddam Hussein, disse: "A recuperação de ativos é complicada também pelas dificuldades de identificar os verdadeiros proprietários dos interesses!".

Mas Roger Tamraz, financista de Dubai que já tratou extensamente com a Líbia, disse que a recuperação dos bens será facilitada, ironicamente, pelo fato de que Gaddafi e sua família viam a riqueza do Estado líbio como sendo deles próprios.

Por essa razão, guardavam a maioria do dinheiro ou dos bens que tinham no exterior em entidades soberanas como o Fundo Líbio de Investimentos, onde será mais fácil de recuperar pelos sucessores de Gaddafi que bens convertidos para uso pessoal e depois ocultos.

Mas, segundo funcionários dos EUA e da Europa, o CNT está agindo com cautela em seus esforços para recuperar bens no exterior, devido à fragilidade dos bancos líbios.

Antes de trazerem bens ao país, as novas autoridades de Trípoli terão que definir procedimentos e mecanismos governamentais para lidar com eficiência e responsabilidade com grandes montantes recuperados.

Os países onde há bens soberanos líbios que teriam estado sob o controle de Gaddafi ou sua família incluem os Estados Unidos, Grã-Bretanha, Itália, Suíça, Malta e várias nações africanas.

Um telegrama do Departamento de Estado divulgado pelo WikiLeaks disse que, em 2006, os bens do governo líbio na Itália incluíam 2 por cento da Fiat, 15 por cento da empresa energética Tamoil e 7,5 por cento do clube de futebol Juventus, de cujo conselho de direção um dos filhos de Gaddafi, Saadi, chegou a fazer parte. O fundo também teria mais de 500 milhões de dólares na Grã-Bretanha.

A Pearson, grande empresa britânica do setor editorial que é dona do jornal londrino Financial Times, anunciou em março ter congelado uma participação de 3,7 por cento de suas ações pertencente à Autoridade Líbia de Investimentos.

(Reportagem adicional de Glenn Somerville e Andrew Quinn, em Washington, e Peter Apps em Londres)

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 252 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal