Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIFICAÇÃO DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste importante treinamento programado para o dia 16/08/2018 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

11/10/2011 - Diário da Amazônia Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Madeira roubada era 'esquentada' em esquema


Através da movimentação comercial no sistema de Documento de Origem Florestal (DOF), a superintendência do Ibama em Rondônia identificou um esquema criminoso de comércio de madeira no Estado. Para garantirem a legalidade de madeiras, supostamente roubadas, a alternativa utilizada pelos empresários era comprar de outros Estados apenas os créditos, já que a carga não chegava ao destino. Quase quatro mil metros cúbicos de madeira ‘virtuais’ seriam utilizados para legalizar madeira roubada. A investigação levou a 14 autuações e embargo e cadastros cancelados de empresas.
O superintendente do Ibama em Rondônia, César Guimarães, explica que desde a adesão ao DOF, que ocorreu em abril deste ano, o volume de compras despertou a suspeição do órgão. “O Estado é um grande produtor de madeira e o normal é sempre sair e não entrar”, justificou, classificando como ‘rota inversa’. O documento é necessário para licenciar a venda de madeira legal e é acompanhado por órgãos de controle. Para apurar o caso, o núcleo de inteligência do órgão promoveu fiscalização em nove estabelecimentos industriais e comerciais, e detectou que apenas três funcionavam. As empresas que vendiam madeira ‘virtual’ identificadas pelo Ibama eram localizadas nos Estados de Pernambuco, Paraíba, Maranhão, Piauí e Goiás. Guimarães destaca que a fraude tinha por intuito acobertar madeira retirada de Unidades de Conservação e terras indígenas. “São quatro mil metros cúbicos de madeira que seriam retiradas que não terão mais essa documentação acobertadora”, diz. As infrações lavradas somam mais de R$ 3 milhões e ambas as partes devem ser responsabilizadas. O Ibama também solicitou providências à Secretaria Estadual de Desenvolvimento Ambiental (Sedam) para bloqueiro de crédito de outros Estados para coibir a prática.

Tecnologia de monitoramento tem dificuldades

O sistema DOF foi implantado em abril, substituindo o Sisflora, que não era aberto à vigilância de órgão de controle. O superintendente acredita que a mudança pode ter proporcionado que o crime ambiental ficasse visível aos órgãos ambientais. “Não sabemos se essa modalidade é nova, já que não tínhamos acesso a essas informações”, diz. Entre as espécies alvo de irregularidade estão Jequitibá, Angelim, Garapa e Maçaranduba.

ILEGALIDADE

A repressão à retirada de madeira de áreas protegidas se constitui um grande desafio, já que a tecnologia de monitoramento tem dificuldades. A tecnologia utilizada para detectar o desmatamento é o Deter, através do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). A tecnologia, no entanto, permite apenas a detecção de desmatamento acima de três hectares a uma distância de 250 metros. Já a outra tecnologia, a Prods, é mais eficiente, capaz de detecção de até 30 metros, mas produz relatórios anualmente.
A apreensão de madeira ilegal é um dos crimes ambientais mais comuns. Neste ano as apreensões já superam 80 mil metros cúbicos. No ano passado foram quase 110 metros cúbicos. A Operação Curare, promovida pelo Exército Brasileiro em conjunto com órgãos de segurança apreendeu diversas toras.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 226 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal