Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

11/09/2007 - Diário do Grande ABC Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Projetista cai em golpe do falso seqüestro

Por: Rogério Gatti


O projetista F.R.D., 55 anos, de Santo André, quase foi extorquido no golpe do falso seqüestro. Ele chegou a fazer um depósito de R$ 4.200 na conta indicada pelo criminoso, mas conseguir extornar a transação assim que a polícia descobriu que tudo não passava de um golpe.

O projetista recebeu a ligação no telefone fixo de sua casa por volta das 15h30 de segunda-feira. Do outro lado da linha, uma pessoa se passando por seu filho dizia que era seu filho e que estava seqüestrada, dentro do porta-malas de um carro. “A voz era muito nítida e eu fiquei desesperado”, contou.

Os criminosos desligaram. Segundos depois, o telefone tocou de novo. Um homem se identificou como seqüestrador e exigia dinheiro para libertar o filho de F.. “Ele me pediu US$ 36 mil”, afirmou.

O projetista não tinha essa quantia e começou a negociar. “Ele dizia que ia matar meu filho. Ao fundo, eu ouvia uma voz igual a do meu fiho pedindo socorro”, disse.

A negociação terminou em R$ 4.200. F. saiu desesperado de casa para ir ao banco fazer o depósito em uma conta com sede em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro.

Na agência, o gerente desconfiou e disse para F. se acalmar e chamar a polícia. Um erro de comunicação fez com que policiais entendessem que o filho de F. estava seqüestrado e feito como refém na casa da família, no bairro Santa Maria, em Santo André.

Logo, a Rua Álvaro Anes ficou cercada pela polícia. Quando os policiais perceberam que se tratava do golpe do celular, instruíram a mulher de F. a tentar localizar o filho.

Mesmo com medo, ela ligou para a loja de carros onde ele trabalha, em São Bernardo. A previsão da polícia estava certa. O rapaz estava no trabalho e nem imaginava o desespero que os pais passavam.

A mulher avisou F. O marido havia acabado de fazer o depósito. O gerente do banco ainda conseguiu travar o depósito, evitando que F. entregasse o dinheiro para os criminosos.

Depois do susto, F. desabafou. Na hora, disse, o terror imposto dos criminosos faz com que a pessoas deixe de pensar de forma lógica. “Agora eu começo a reparar que o sotaque do criminoso era do Rio de Janeiro e que se fosse verdade, meu filho não estaria dentro de um porta-malas com um celular. Mas, na hora, se eu tivesse mais dinheiro teria depositado”, afirmou.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 354 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal