Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

02/10/2011 - Mídia News Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Deputado defende legalização do cassino e jogo do bicho

Por: Rafael Costa

Júlio Campos (DEM) alega que dinheiro do imposto financiaria Saúde e Segurança Pública.

O deputado federal Júlio Campos (DEM) é a favor da legalização de cassinos, jogo do bicho e outras modalidades de apostas, como alternativa para o Governo Federal arrecadar mais recursos e investir em setores estratégicos, como a Saúde e Segurança Pública. A declaração foi dada em entrevista exclusiva ao Midianews.

"O Brasil é o país que mais exporta jogadores de cassino para o Uruguai, Estados Unidos e Europa. Sou a favor da legalização dos jogos no Brasil porque estão funcionando em todas as cidades brasileiras, mas de maneira falsificada. A legalidade vai permitir a geração de emprego e renda e impostos ao Governo brasileiro para investir na Saúde Pública e financiar o SUS (Sistema Único de Saúde)".

Com a experiência de ex-governador e ex-senador, Júlio Campos rebateu a crítica de que cassinos e outros jogos servirão no Brasil exclusivamente para o crime de lavagem de dinheiro.

"Isso é balela! A Receita Federal é tão preparada que vai descobrir quem opera com a lavagem de dinheiro. Se houver a legalização dos jogos no país, poderá ser cobrado imposto caro e permitir desenvolvimento em regiões inóspitas do Brasil, como a Amazônica, a Nordeste e o Pantanal. Todos têm estrutura para receber cassinos", disse.

Júlio Campos é um dos representantes de Mato Grosso que votaram favoravelmente a Emenda 29, aprovada pela Câmara dos Deputados e que determina aos Municípios, Estados e União a investir de 12% a 15% de suas arrecadações tributárias na manutenção da Saúde Pública.

Projeto

Embora seja defensor da legalidade dos cassinos no Brasil, o parlamentar nega apresentar qualquer projeto neste sentido. "Já existem e estão em andamento", justificou.

O senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) é o autor do projeto de lei 343/04, que autoriza a exploração de cassinos em hotéis da Região Amazônica e do Pantanal, dispensar o visto de turistas estrangeiros para visitas nas duas regiões e libera a realização de bingo em todo o país.

Na prática, o fluxo de estrangeiros e da jogatina estaria liberado em dez Estados: Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

O argumento é que vai "incrementar o fluxo de turistas, com ênfase na preservação do meio ambiente e desenvolvimento sustentável". Mozarildo também comentou, na época, que a proibição do funcionamento do jogo de bingo apenas alimenta a clandestinidade.

Segurança

Para Júlio Campos, arte do dinheiro arrecadado com a legalização dos jogos poderia servir para reforçar as fronteiras do Brasil com países da América do Sul e impedir a entrada de drogas e armas.

Em sua visão, não dá para o Governo Federal formular plano de Segurança Pública sem priorizar o reforço das fronteiras, pois a fragilidade na vigilância reflete negativamente em diversos estados brasileiros.

"Essa onda de assaltos e violência não está atingindo somente Mato Grosso, mas todo o Brasil, porque não há controle no combate às drogas e narcotráfico. A fronteira brasileira é por onde entra drogas e armas que financiam a criminalidade. É inadmissível que não se tenha uma participação efetiva da Polícia Federal, Guarda Nacional e as tropas do Exército Brasileiro", disse.

Conforme dados do Gaeco (Grupo Armado de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado), 70% da cocaína que abastece o Brasil entram pela fronteira do município de Cáceres com a Bolívia. Por outro lado, a proximidade de Mato Grosso do Sul com o Paraguai favorece o contrabando de armas.

Mais impostos

Além de pregar a legalização de cassinos para o Governo Federal arrecadar mais impostos e investir no social, o deputado Júlio Campos defendeu o aumento na taxa de impostos aos bancos e aos produtos considerados supérfluos.

"A carga tributária em cima do lucro bancário é menor do que é cobrado em qualquer cidadão comum, que, injustamente, trabalha para contribuir mais do que o banqueiro. Também tem que aumentar impostos em produtos supérfluos como caviar, whisky, vinho, carros importados, viagens ao exterior e compras de luxo feitas por madames", disse.

A redução nos gastos para manutenção da máquina pública também foi defendida pelo parlamentar.

"Um grupo de deputados e senadores pensa de que podemos carrear recursos para o social cortando o excesso de gastos públicos que impera atualmente no Brasil como a redução dos cargos comissionados", completou o democrata.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 174 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal