Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

01/08/2011 - Engeplus Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Esquema fraudava laudo Dpvat

Por: Nícola Martins


Em entrevista coletiva concedida na tarde de hoje, os integrantes do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Criciúma falaram sobre as prisões e apreensões realizadas na manhã de hoje em decorrência de falsificação de laudos para o seguro obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres (Dpvat). Foram apreendidos durante a operação centenas de documentos, além de R$ 5,5 mil reais escondidos em um forro dentro do carro de um dos presos.

De acordo com o promotor Eduardo Paladino, coordenador do Gaeco, três pessoas foram presas, duas em Criciúma e um médico legista de Araranguá, concursado há 31 anos do Instituto Geral de Perícias (IGP) e chefe do Instituto Médico Legal (IML) de Araranguá. “Os dois integrantes desta quadrilha ficavam em Criciúma e cooptavam acidentados para que laudos médicos fossem forjados acentuando as lesões ocasionadas por acidente de trânsito. Com o laudo forjado, eles buscavam uma quantia maior da seguradora”, explicou o promotor.

Foi decretada prisão temporária por cinco dias dessas três pessoas para investigação, além do cumprimento de sete mandados de busca e apreensão em Criciúma, Araranguá e Florianópolis. Uma quarta pessoa, ex-esposa do médico, que mora em Florianópolis, deve ser presa temporariamente também.

“A partir da prisão e da apreensão das centenas de documentos, chegaremos a outras pessoas que serão oportunamente chamadas. Os acidentados também serão chamados para depor”, ressaltou o delegado responsável pelo caso, Airton Ferreira.

Segundo o coordenador do Gaeco, os suspeitos podem ser enquadrados em diversos tipos de crime, desde estelionato até falsidade de documentos públicos e de documentos médicos. “O golpe é milionário. Eles cobravam 30% duas vezes, a primeira na cobrança administrativa na seguradora e a segunda na decisão judicial. Durante todo o processo de investigação tivemos a parceria da seguradora responsável pelo Dpvat na apresentação de provas”, destacou Paladino.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 177 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados no topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Divulgação





Copyright © 1999-2021 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal