Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

09/07/2011 - AFP Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

EUA: 'Madoff colombiano' é condenado a nove anos de prisão


NOVA YORK, EUA — A Justiça americana condenou nesta sexta-feira o empresário David Murcia Guzmán, apelidado de "Madoff colombiano", a nove anos de prisão por lavagem de dinheiro do tráfico de drogas, acusação da qual ele havia se declarado culpado.

O juiz William Pauley de Nova York considerou as acusações contra Murcia como "muito graves" e não acatou o pedido de clemência. Murcia, chorando, pediu uma redução de pena para poder ser levado antes à Colômbia onde deve cumprir 30 anos de prisão por outro motivo.

"Peço sua misericórdia para ter uma segunda chance", disse Muercia em uma declaração na sala de audiência do tribunal de Manhattan pouco antes da sentença ser decretada.

Murcia, que admitiu a culpa, gaguejou em várias ocasiões ao falar dos filhos pequenos e da mãe, que não poderá ver nos Estados Unidos.

O advogado de defesa, Robert Abreu, qualificou a condenação como uma "injustiça", já que seu cliente deve ficar 9 anos preso nos EUA e depois outros 30 na Colômbia.

"O governo da Colômbia está relutante em dar crédito à condenação daqui, logo sua sentença será de 39 anos", disse Abreu ao sair dos tribunais.

David Murcia Guzmán havia se declarado no dia 23 de novembro "culpado de conspiração para lavar milhões de dólares do narcotráfico".

A Corte de Nova York o acusou de movimentar milhões de dólares de traficantes por meio de uma conta em Merrill Lynch e de adquirir nove propriedades em Miami e uma na Califórnia para ocultar os ganhos ilícitos.

Murcia, dono do grupo DMG siglas de seu nome, havia sido capturado em novembro de 2008 no Panamá e deportado para a Colômbia, onde em 2009 foi condenado a 30 anos de prisão por arrecadação ilegal e lavagem de dinheiro, antes de ser extraditado para os Estados Unidos em janeiro de 2010.

O DMG chegou a captar 4,8 bilhões de pesos (cerca de 2 bilhões de dólares) numa "transação de milhões" a custa de 194 mil afiliados.

Depois de seis anos de operações, o governo colombiano interveio no DMG em 2008 com o argumento de que era uma pirâmide financeira e lavava dinheiro do tráfico de drogas. Junto dela foram paralisadas cerca de 50 outras empresas, provocando prejuízos a milhares de investidores.

Murcia Guzmán ganhou o apelido de "Madoff colombiano", pela semelhança nas atividades financeiras ilegais com o investidor americano Bernard Madoff, que cumpre uma pena de 150 anos de prisão nos Estados Unidos por uma fraude de 50 bilhões de dólares.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 161 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados no topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Divulgação





Copyright © 1999-2021 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal