Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


AFD SUMMIT

A maior Conferência de Investigação Corporativa & Perícia Forense da América Latina.
São Paulo dias 08-09 de dezembro de 2018


Acompanhe nosso Twitter

04/07/2011 - Midiamax Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Acusada de trapacear clientes, advogada ainda é tida como foragida da Justiça em MS

Por: Celso Bejarano


Completa nesta semana um mês que a justiça decretou a prisão da advogada Roberta de Almeida Morel, acusada de estelionato. Tida como foragida, o advogado dela avisou que vai apresentá-la, mas não há ainda uma data determinada.

Na sexta-feira passada, o Tribunal de Ética e Disciplina da OAB-MS (Ordem dos Advogados do Brasil), seccional de Mato Grosso do Sul, suspendeu Roberta pela segunda vez de novembro para cá.

Desde o dia 9 do mês passado, a advogada é tida como foragida. Ela é acusada de falsificar assinatura de magistrados do Estado e ainda de ficar com o dinheiro de clientes que as contratavam para defender suas questões judiciais.

A suspensão é preventiva e vale por três meses a partir de uma data ainda não fixada pela entidade. Se houver uma terceira sentença, a advogada não poderá exercer sua profissão. O delegado da Polícia Civil Fábio Sampaio disse que investiga oito inquéritos movidos contra Roberta, acusada de negociar um terreno que havia sido sequestrado pela justiça trabalhista local e ainda de enganar clientes seus interessados em revisar decisões judiciais.

O policial informou que a advogada pegava dinheiro de clientes que enfrentavam problemas com as prestações de veículos comprados e tinham sido acionados na Justiça. A advogada dizia a eles que havia entrado com recurso, mas que precisava de um valor para ser depositado em conta bancária determinada pelo juiz. Quando questionada sobre os documentos que comprovariam os pagamentos, ela exibia papéis com a assinatura falsa dos magistrados.

O delegado não revelou a quantia desviada pela advogada, contudo adiantou que um dos clientes perdeu um caminhão e outro comprou um imóvel, mas teve de devolvê-lo porque a área tinha sido confiscada judicialmente.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 135 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Divulgação





NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal