Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2018 SOBRE FRAUDES E FALSIFICAÇÕES
Veja AQUI programação e promoções dos últimos treinamentos de 2018 da DEALL R&I
sobre Fraudes e Falsificações nos dias 14, 22 e 29 de novembro.


AFD SUMMIT
A maior Conferência de Investigação Corporativa & Perícia Forense da América Latina.
São Paulo dias 08-09 de dezembro de 2018


Acompanhe nosso Twitter

02/07/2011 - Portal Terra Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

As pessoas devem denunciar sem temer, diz fundador do OpenLeaks

Por: Emily Canto Nunes


No último dia do Fórum Internacional Software Livre (fisl12), em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, o ex-WikiLeaks Daniel Domscheit-Berg falou da importância da segurança no campo da denúncia digital (Security in the field of digital whistleblowing, em inglês)l. Porta-voz do OpenLeaks, Daniel apresentou no início desta tarde de sábado o que ele imagina ser o melhor fluxo para denunciar algo em um site e como pretende fazer isso com o OpenLeaks. Preocupado com o anonimato das fontes das denúncias, Daniel disse que está em busca de um software que seja fácil para qualquer pessoa usar, inclusive seus pais e avós, e que também preserve a identidade dos usuários.

Na sua opinião, pessoas interessadas em denunciar atos de corrupção não pensam como os jornalistas que querem se promover por meio de uma reportagem. "Os denunciantes não querem ajudar a construir a fama de um jornalista ou de uma empresa, eles querem compartilhar as informações. O jornalismo tem relação com a exclusividade, não com a divulgação apenas." Nesse sentido, o que o OpenLeaks pretende fazer, de acordo com Daniel, é estar entre a fonte da denúncia e aquele que vai publicar uma história a partir daqueles documentos, para preservar a identidade de quem fez o upload de uma denúncia em um site. Dessa forma, as fontes terão suas denúncias feitas sem que elas estejam atreladas às políticas de um veículo de imprensa, que pode comprometer sua identidade e que pode simplesmente optar por não publicar uma história que prejudiquem seus interesses. "Nós podemos determinar junto com a fonte um período de tempo para deixar aquele documento disponível para um veículo, mas caso ele decida não fazer uso daquela denúncia, teremos como torná-la pública à comunidade", explicou.

Segundo Daniel, essa intermediação que faria o OpenLeaks serve para evitar que somente os meios de comunicação tenha acesso e poder sobre documentos de uma denúncia e também para limpar os documentos colocados no site de informações que possam rastrear as fontes. "Nós fazemos uma segunda versão de um documento para que ninguém possa rastrear de onde ele veio. Não sei se vocês sabem, mas o PDF, por exemplo, é um tipo de extensão que diz muito sobre de onde ele veio, traz muitas marcas", explicou ao público, menos numeroso que da palestra de sexta-feira. Quanto à questão da veracidade de uma denúncia, ele disse que esse sistema que o OpenLeaks está criando tenta, através de formulários com perguntas, assegurar essa veracidade, mas que se o jornalista precisa de mais, ele é quem deve ir atrás: "esse não é um problema nosso", afirmou ele, que desde que chegou anda acompanhado de um cuia de chimarrão e uma térmica para a água quente.

Sua ideia é que não exista somente um site para fazer denúncias, mas vários que estejam de acordo com as necessidades e objetivos dos denunciantes. "Nosso objetivo é que, ao final de todo o fluxo, no fim do dia, as informações estejam à disposição do público, tenha um jornal decidido escrever sobre ou não", disse Daniel, que explicou também que desta forma o processo de denúncia se torna mais transparente.

Daniel também destacou a importância do envolvimento da comunidade de desenvolvedores para que linguagens seguras sejam usadas no desenvolvimento de sites como OpenLeaks para que o anonimato das fonte sejam mantidos. Ele contou que o software no qual seu grupo está trabalhando é bastante customizado, por isso não há muito do que se vê por aí, mas que é importante todos se interessarem para que algo sólido seja construído, um site forte o bastante para as pessoas confiarem e subirem seus documentos secretos sem que sejam punidas por isso. "Nao sei vocês sabem, mas em alguns locais as pessoas tem que relatar à polícia quando elas recebem um documento secreto, mesmo os jornalistas. Temos que achar uma forma das pessoas denunciarem sem temer", afirmou Daniel Domscheit-Berg. Preocupado com o anonimato dos denunciantes, Daniel deu exemplos de sites - como do projeto de transparência da Al Jazeera e uma iniciativa do The Wall Street Journal - que recebem documentos secretos e que, "mesmo sem querem", facilitam o rastreamento através de sua programação. Sites que tem ligação com o Facebook e o Twitter, que tem anúncios, que fazem uso do Google Analytics ou que utilizam o HTTPS - que permite que os dados sejam transmitidos através de uma conexão criptografada e que se verifique a autenticidade do servidor e do cliente através de certificados digitais - deixam brechas para que as pessoas que entram neles sejam rastreadas segundo Daniel. "Nós estamos em contatos com eles, mas pouco ainda foi feito. Se você quer garantir o anonimato das suas fontes de denúncias, tem que tirar fora toda essa porcaria".

Por fim, Daniel falou sobre o projeto Tor, que, segundo ele, é uma ótima iniciativa, mas não é fácil de utilizar por qualquer pessoa em qualquer lugar porque necessita de uma instalação, e as pessoas normalmente não podem instalar programas no local onde trabalham, por exemplo. O The Onion Router, conhecido pela sigla TOR, é uma rede de computadores distribuída com o intuito de prover meios de comunicação anônima na internet.

O OpenLeaks

Nascido na Alemanha, Daniel virou figura pública ao ser a "cara" do WikiLeaks, ao lado de Julian Asange, durantes três anos. Após divergências, decidiu abandonar o projeto e atualmente sofre ameaças do antigo parceiro que promete processá-lo por sabotagem. Autor do livro Os bastidores do WikiLeaks, Domscheit-Berg, trouxe a público os problemas estruturais de uma das organizações mais polêmicas dos últimos anos.

O OpenLeaks foi criado para atuar com responsabilidade na divulgação de material recebido através de vazamentos via fontes que desejam permanecer anônimas no processo. Criado no ano de 2010, tem como objetivo utilizar a inteligência coletiva para dar suporte aos sites que promovem denúncias, tornando o vazamento mais amplo e, principalmente, diminuindo o risco para aqueles que buscam combater a corrupção.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 286 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Divulgação





NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal