Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

15/06/2011 - iOnline / Lusa Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Crise financeira é uma "oportunidade para a corrupção" garante investigador


O contexto da crise financeira que atinge a Europa é uma "oportunidade para a corrupção", porque exige processos rápidos "e há a tentação de atalhar caminhos, deixando o rigor para trás", afirma o investigador Luís de Sousa.

O responsável da Transparência e Integridade, uma das entidades que vai participar no projeto "Sistema Nacional de Integridade", iniciativa europeia que vai realizar, até final do ano, o mais completo diagnóstico sobre corrupção jamais feito na Europa, afirma que as crises são momentos de aproveitamento para fenómenos de corrupção.

O trabalho europeu vai concluir, até ao final do ano, um diagnóstico da situação da corrupção na Europa, partindo da sociedade civil.

"Não foi nenhum governo que se lembrou de iniciar este estudo, foi a sociedade civil a dar um passo em frente, vamos ver o que funciona e o que não funciona", explica o investigador.

Os investigadores já iniciaram o trabalho de recolha de informação e dizem que para já têm obtido toda a colaboração das entidades, sem se cingirem à recolha de material documental, pois vão também entrevistar responsáveis da administração pública e políticos, os que estão e os que hão-de vir.

Na análise da documentação deteta-se logo uma situação, a palavra "corrupção" quase não aparece nos documentos oficiais, algo que Luís de Sousa explica com uma cultura enraizada em Portugal.

São 13 os pilares para os quais a equipa de investigadores vai fazer avaliações com indicadores vários, embora cada um desses pilares tenha contextualizações diferentes nos vários países: Assembleia da República, Governo, tribunais, administração pública, Ministério Público e investigação criminal, Comissão Nacional de Eleições, Provedor de Justiça, Tribunal de Contas, organismos especializados no combate à corrupção, partidos políticos, comunicação social, sociedade civil e setor privado.

Em relação aos partidos, o problema é o financiamento. Luís de Sousa diz mesmo que, na sequência de contactos que manteve com vários responsáveis partidários, o mais certo é que a atual lei acabe por ser revogada e se parta para um novo trabalho legislativo com base na anterior lei.

"Alguns mandatários financeiros dos partidos com quem falei assumiram que esta lei foi um retrocesso, que abriu novos alçapões, argumentam que havia um grande esforço de disciplinar o financiamento, mas que, com esta lei, criaram-se alçapões para novas oportunidades e agora refugiam-se no legislador", afirma o investigador.

Luís Sousa revelou também, aos jornalistas, na ocasião da apresentação do projeto, que nos últimos três anos tem tido contactos ao nível diplomático em que se manifesta a preocupação quanto à corrupção em Portugal.

O investigador não tem dúvidas quanto às razões desta preocupação: [Os diplomatas]"são pressionados para se informarem sobre o fenómeno da corrupção, para depois informarem os seus naturais, sobre o nível de risco para os seus negócios".

Diz ainda que nos últimos anos se intensificou o tema da corrupção nas conversas e que "os decisores políticos deviam perceber que lá fora as pessoas querem ter informação".

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 149 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal