Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

10/06/2011 - Jornal Stylo Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Afastado por decisão judicial, prefeito diz que foi vítima de estelionato


O prefeito da cidade de Riachinho, Eurípedes Lourenço de Melo, envoiou nota à imprensa sobre o afastamento, por seis meses, da prefeitura municipal de Riachinho, pelo crime de improbidade administrativa, devido à participação em supostas irregularidades com empréstimos consignados no Banco Matone S/A. Lipe, como o prefeito é conhecido, teve seus bens bloqueados pela Justiça, mas declarou que foi vítima de estelionato (fraude).

De acordo com o Prefeito, desde 2007, no auge das financeiras, ele era procurado por pessoas que se diziam representantes de um Banco. As mesmas ofereciam créditos consignados a juros inferiores aos dos Bancos oficiais. Lipe disse que foi procurado pelo agente do Banco Matone - a sede do referido Banco fica em Porto Alegre, mas na época, foi montada uma agência no Tocantins. O representante falou das condições que o Banco oferecia para a realização de empréstimos consignados.

“Chegamos a achar que poderíamos fazer um bom negócio, uma vez que a maioria dos juros tem valores exorbitantes. Desta forma aconteceu, fizemos os empréstimos consignados com alguns servidores. O trâmite funciona da seguinte forma: o servidor interessado vai ao Banco, o mesmo fornece uma carta, em branco, e o Prefeito ou o servidor responsável, assina. O próprio Banco determina o valor a ser consignado pelo servidor. Foi exatamente isso, o que nós fizemos. Só fomos perceber que tínhamos sido vítima de um estelionato, quando veio a fatura para pagar”, disse Lipe.

Conforme o gestor, o agente do Banco fabricou novos contracheques, preencheu à caneta, a folha com os valores de salários e os juros, e o valor a ser descontado. A taxa de juros cobrada na transação foi superior a 5%, ao mês.

O prefeito disse que ligou no Banco e falou que “não era o que tinha combinado com o agente”. Ele solicitou à Instituição o valor total da dívida, porque iria pagar de uma única vez. O atendente respondeu que não era de interesse do Banco receber antecipado. Assim a Instituição começou a enviar as faturas para a Prefeitura Municipal de Riachinho, às quais foram rejeitadas, pois não cumpriam o que foi acordado pelo Prefeito.

O Banco Matone ingressou com uma ação de cobrança, na comarca do município de Ananás, contra todos os servidores que tinham feito o empréstimo, até que em 2010, foi firmado um acordo extrajudicial mais cabível. Os servidores tiveram que vender bens pessoais e muitos deles fizeram novos empréstimos, para que a dívida fosse quitada.

“A minha administração é transparente, confio na população e a mesma confia em mim. Não somos do mal e sim, do bem. Tenho certeza de que não roubamos nada dos cofres públicos. O que está sendo roubado é a nossa vida e a nossa moral psicológica e financeira”, argumentou Lipe.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 326 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal