Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

07/06/2011 - Angola Press Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Mais de 10 mil angolanos controlados pela Embaixada em Kinshasa


RDCongo (Dos enviados especiais) - A Embaixada de Angola na RDCongo controla actualmente, em Kinshasa, 14 mil cidadãos angolanos, informou hoje, terça-feira, o chefe dos serviços consulares local, Caldeiras Balao.

Em entrevista colectiva a jornalistas de órgãos públicos da Comunicação Social angolana, o diplomata afirmou que desde 1979 foram registados 37 mil 900 cidadãos, 23 mil dos quais solicitaram salvo conduto ao consulado angolano em Kinshasa para regressarem ao país, o que significa que só 14 mil cidadãos estão sob o controlo da Embaixada de Angola na RDCongo.

Quanto ao processo de registo de pessoas que solicitam regresso espontâneo ao país, a fonte disse que se tem registado alguma afluência no consulado de cidadãos que solicitam salvo conduto para regressarem a Angola.

Nesse processo, afirmou, tem se detectado muita documentação falsa de alegados angolanos que pretendem ir a Angola. “Temos muitos documentos falsos”, citando o exemplo de uma pessoa que se identificou como angolano, mas os dados constantes no seu BI contradizem.

“Temos um exemplo de um cidadão que alegadamente afirma ser angolano e que durante uma entrevista com o chefe do serviço consular em Kinshasa afirmou ter tratado o seu BI em Luanda, mas o documento atesta que o mesmo foi emitido no Uíge, bem como afirma ter saído de Luanda em 1992 e participado do processo de votação das eleições gerais em Angola em 1991”, disse o cônsul Caldeiras Balao.

Situações como estas, argumentou, têm aparecido muito, pelo que o processo de emissão de salvo conduto requer uma certa cautela e muita atenção. Quando se regista situações de género solicitamos ao Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) para confirmar autenticidade dos documentos e se tem confirmado que alguns deles são falsos, já que alguma documentação é facilitada por determinadas pessoas.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 171 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal