Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

01/06/2011 - Jornal Dia a Dia / Midiamax Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Corumbá: grupo que viajaria para Aparecida é lesado e perde R$ 100 mil


Um grupo de 168 pessoas foi vítima de um golpe de mais de R$ 100 mil na véspera da viagem que fariam. Durante um ano, eles pagaram uma taxa mensal, no valor de R$ 50, a fim de cobrir as despesas de uma viagem para Aparecida do Norte, em São Paulo. Porém, na noite desta terça-feira. 31 de maio, um dia antes de partirem, veio a decepção: a responsável pela organização da excursão teria fugido com todo o dinheiro arrecadado pelos fiéis.

"Foi uma grande surpresa para todos. Ontem (terça-feira), por volta das 19 horas, fomos para a reunião do Terço de Maria. Marcamos com a Maristela de nos reunir na noite anterior para acertar os últimos detalhes, como entrega de passagens, lugar, horários. Ficamos esperando e ela não apareceu. Começamos a ficar nervosos até que o esposo dela apareceu e nos entregou uma carta em que dizia que ela se sentiu tentada com o montante de dinheiro e fugiu, foi algo que abalou a todos nós", declarou ao Diário uma das vítimas do golpe da viagem de Aparecida, Ivone Mociaro Gomes, 40 anos.

As vítimas pagaram, cada uma, o valor de R$ 600 que custearia ida e volta e estadia. A partida de Corumbá seria na manhã desta quarta-feira, 1º de junho e retorno no dia 06. O grupo estava distribuído em quatro ônibus. A responsável pela organização da viagem era Maristela das Dores Rodrigues.

"Essa era a segunda viagem para Aparecida que a Maristela organizava. Nunca desconfiamos dela, ela tinha tranquilidade, nunca nos passou pela cabeça que ela faria uma coisa dessas. Ficamos muito decepcionados, pois era uma pessoa que confiávamos extremamente. Na minha família, cinco pessoas estavam pagando a viagem, não ficamos tanto chateados pelo dinheiro, mas sim pela falta de caráter que ela teve", frisou Ivone.

Na delegacia, o movimento para registro de boletim de ocorrências começou ainda na noite da terça-feira, 31 de maio. "Na hora em que o marido dela chegou e nos entregou a carta, pensamos que fosse brincadeira, ou algo assim. Há mais de 18 anos viajo anualmente para Aparecida do Norte e nunca passei por algo semelhante. Nesse ano, não irei por irresponsabilidade de uma mulher que foi fraca, fez injustiça com muitas pessoas.

Pedimos para que aquelas pessoas que não vieram registrar o caso na delegacia que venham, pois não é justo uma pessoa aplicar um golpe destes em várias pessoas que confiaram plenamente nela", alegou Marlene Mociaro, 64 anos.

Mulher explica motivos numa carta

Na manhã desta quarta-feira, 01º de junho, a reportagem deste Diário encontrou o marido de Maristela na Delegacia. Ele não quis se identificar e afirmou não querer se pronunciar diante dos fatos. Questionado pela carta deixada pela esposa, afirmou apenas que não está mais com ele.

De acordo com as vítimas que estavam na delegacia, na carta, a mulher dizia que iria sumir com o dinheiro, pois ela se sentiu tentada com o valor que tinha em mãos. Ainda pedia desculpas para toda a família pelo que iria fazer. As vítimas relataram também, que ninguém mais conseguiu entrar em contato com a acusada e que na noite desta terça-feira, o marido dela, bastante abalado com a situação, afirmou que iria repassar o valor a cada pessoa.

Na carta, ela se diz culpada e afirma que a família não esteve envolvida na situação. "Não tenho e nem posso pedir perdão, pois o que fiz é inexplicável. Cai na tentação do dinheiro e prejudiquei a todos. Quero deixar bem claro que minha família não soube de nada do que estava fazendo", afirmou Maristela segundo a carta apresentada pelo marido.

Para resolver a questão e pagar a dívida, a mulher aponta uma saída: "de alguns eu devolvi o dinheiro. Paguei R$ 10.040 ao hotel. Deixarei escrito para que meu marido venda a casa para poder devolver o dinheiro, tenham paciência, pois não será fácil (...) Mas, estou pagando pelos meus erros", assim Maristela encerrou a carta.

Delegada pede que vítimas registrem ocorrência

O golpe da viagem à Aparecida do Norte foi registrado na Delegacia de Polícia Civil de Corumbá, como caso de estelionato, de acordo com o boletim de ocorrências número 3037. Segundo o Código Penal Brasileiro, estelionato é crime econômico (Artigo 171) e tem como definição "obter para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil ou qualquer outro meio fraudulento".

"Na noite desta terça-feira, 31 de maio, a delegacia de Polícia Civil de Corumbá, recebeu a denúncia de que uma mulher havia aplicado um golpe a um grupo que iria realizar uma romaria a Aparecida do Norte. De acordo com relatos, a suposta acusada, fugiu coma a quantia de aproximadamente 120 mil reais. Ela deixou uma carta, confessando o crime como justificativa para o ato, disse na carta que não resistiu à tentação. Ela foi indiciada por estelionato e até o momento, estamos registrando boletim de ocorrência das vítimas do golpe. O boletim está sendo registrado em forma coletiva, porém, é importante que todos que foram vítimas do golpe, venham até a Delegacia para registrar a queixa", explicou ao Diário, a delegada responsável pelo caso, Elaine Cristina Ishiki Benicasa.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 254 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal