Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

02/06/2011 - G1 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Paroquiana de Corumbá, MS, diz que golpe foi 'balde de água gelada'

Por: Ricardo Campos Jr.

Coordenadora de romaria à basílica de SP fugiu e levou dinheiro da viagem. Vítima diz que ficou indignada com carta em que mulher pede desculpas.

Foi um 'balde de água gelada' para paroquianos de uma igreja católica de Corumbá, a 444 quilômetros de Campo Grande, a notícia do golpe aplicado por uma mulher que levou R$ 120 mil de romeiros que iriam para Basílica de Nossa Senhora Aparecida, em Aparecida (SP). A mulher era coordenadora da Legião de Maria, organizava a viagem há quatro anos e deixou uma carta, pedindo desculpas às vítimas. (leia carta na íntegra, abaixo)

A definição foi dada por uma 168 das vítimas que deram dinheiro para participar da romaria. O caso foi registrado na Polícia Civil como estelionato. A mulher era responsável pelas viagens e outras atividades na igreja. “Ela tinha uma função boa na igreja, fazia sorteios e rifas para levar às pessoas carentes. Foi um balde de água gelada”, disse uma dona de casa de 44 anos, que entregou no total, R$ 600, em parcelas divididas em dez meses. “Todo mundo confiava”, relata.

Os fieis, de acordo com a dona de casa, ficaram indignados quando o marido da suspeita leu, durante uma missa realizada na última terça-feira (31), a carta de confissão deixada pela organizadora da excursão. “A gente achou que era uma brincadeira”, disse. Na carta, a mulher diz: “Não tenho e nem posso pedir perdão, pois o que fiz é imperdoável. Caí na tentação do dinheiro e prejudiquei a todos”.

Marido e filho de 20 anos foram deixados para trás pela suspeita. “Eles não tinham nada a ver com isso. A culpada é ela. Ela que é o pivô de tudo. E agora ele (o marido) que tem que ficar dando explicação”, disse a vítima.

A dona de casa suspeita que a mulher tenha gastado o dinheiro no decorrer do ano e arquitetado a fuga. “Ela recebeu dinheiro até a última prestação para fugir. Isso foi bem planejado”, conta a vítima.

Investigação

O caso é apurado pela delegada da 1ª DP de Corumbá Elaine Benicasa. Segundo a polícia, há indícios de que a mulher tenha realmente premeditado o crime, tendo em vista que várias outras viagens já haviam sido organizadas em anos anteriores. “Ela sabia o valor que pode dar uma excursão desse calibre, com quatro ônibus lotado de pessoas pagando R$ 600 cada”, explica Elaine.

Inicialmente foi solicitada uma relação de todas as vítimas para serem incluídas no boletim de ocorrência que serão ouvidas pela polícia. Ainda não há informações sobre o paradeiro da suspeita.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 197 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal