Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

28/05/2011 - Extra Online Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Falso coronel: sindicância terminou com punição leve para sete oficiais da PM

Por: Guto Seabra e Giampaolo Braga


Com a falsa patente de tenente-coronel do Exército, Carlos da Cruz Sampaio Junior bateu ponto na Secretaria estadual de Segurança, usou veículos oficiais, armas e coletes à prova de bala e planejou o patrulhamento de vários batalhões da PM. O maremoto causado pelo coronel Caô, porém, virou uma marolinha na hora de punir os sete oficiais superiores da Polícia Militar que abriram as portas de suas unidades para Sampaio — e a onda nem atingiu a cúpula da segurança pública. Após seis meses de investigações, a corporação publicou no boletim reservado do último dia 18 o resultado das sindicâncias: as transgressões foram consideradas leves. Quanto às punições, apenas repreensões.

Foram repreendidos os coronéis Marcos Alves dos Santos, Cezar Augusto Tanner de Lima Alves, Weber Guttemberg Collyer e Álvaro Sérgio Alves de Moura, os tenentes-coronéis João Silvestre de Araújo e Gilberto Fernando de Chagas e o capitão Thiago Leôncio Souza Araújo. O Comando-Geral da PM não comentará as punições. A mesma linha, com algumas variações, foi seguida pelos oficiais.

— A minha vida pessoal e profissional não é da sua conta, nem de ninguém — irritou-se Silvestre.

Ele foi punido por ter permitido, quando comandava o 17º BPM (Ilha), que Sampaio participasse do planejamento de policiamento e tivesse acesso a armas. Mesmos motivos para punir os coronéis Marcos Alves, ex-comandante do 27º BPM (Santa Cruz), e Tanner, que comandou o 1º BPM (Estácio).

— Não quero falar sobre isso — alegou Tanner.

Do 3º BPM (Méier), o coronel Caô usou uma arma entre 26 de julho e 9 de agosto de 2010, fato permitido pelo coronel Moura.

— Não falo disso — limitou-se a dizer o oficial.

A conversa fácil de Sampaio também convenceu, no 4º BPM (São Cristóvão), o tenente-coronel Gilberto Chagas a persuadir o então comandante Weber a deixar um colete à prova de bala com o falso oficial. No 13º BPM (Praça Tiradentes), o capitão Thiago foi repreendido por deixar armamento com Sampaio. O EXTRA não conseguiu encontrar os três para que comentassem o fato.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 408 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal