Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

12/05/2011 - O Globo Online Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

MP deflagra operação contra falsificação de produtos frigoríficos em Campos e Cabo Frio


RIO - O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro deflagrou, nesta quinta-feira, uma operação nas cidades de Campos dos Goytacazes e Cabo Frio para recolher provas do que seria um sofisticado esquema de falsificação de marca de produtos frigoríficos. No cumprimento de mandados de busca e apreensão, segundo o MP, foram recolhidos cerca de R$ 1,6 milhão (entre cheques e dinheiro em espécie), 38 computadores, documentos contábeis, produtos com a utilização indevida da marca Boibom (de propriedade de Boibom Carnes Ltda.), e um cofre com documentos e moeda estrangeira. A investigação apura supostos crimes contra registro de marca, ordem tributária e relações de consumo, além de concorrência desleal, estelionato e formação quadrilha.

A operação Boi Bom foi deflagrada pela 2ª Promotoria de Justiça de Investigação Penal de Campos, com apoio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), policiais do Grupo de Apoio aos Promotores de Campos, Cabo Frio e Macaé, de Técnicos de Informática da Divisão Anticartel (DACAR) e de fiscais da Secretaria de Estado de Fazenda. Foram cumpridos mandados de busca e apreensão expedidos pela 2ª Vara Criminal de Campos em 12 endereços de Campos e três de Cabo Frio. Segundo o promotor Leandro Manhães, titular da 2ª PIP de Campos, há fortes indícios de sonegação de ICMS.

O requerimento de busca e apreensão feito pelo MPRJ à Justiça - com base em inquérito da 146ª DP (Guarus) - detalha o uso indevido e sem autorização da marca Boibom, de propriedade da Boibom Carnes Ltda., por pelo menos outras seis empresas de gêneros alimentícios, como forma de enganar consumidores sobre a procedência dos produtos. Com base em levantamentos, o MPRJ indica possível sonegação de ICMS, com suspeita de pagamento de suborno a Fiscais da Receita para não sofrer fiscalização.

O requerimento cita as empresas Mindouro, Disfrio, Mayara, Maratori, Chade 2004 e M.J. Lagos, que tinham em comum o endereço em que foram registradas - no bairro de Monte Alegre, Cabo Frio - e o fato de serem geridas, de fato, por Hugo Cecílio de Carvalho. As empresas eram usadas para produzir os produtos falsificados - requeijão, mandioquinha, presunto, entre outros - e distribuir no comércio do Norte Fluminense e Região dos Lagos.

O esquema também envolveria donos de mercados e hortifrutis. Os participantes criaram até um site falso da Boibom Carnes Ltda., atribuindo parcerias inexistentes com fabricantes e distribuidores dos produtos falsificados. Além de Hugo Cecílio de Carvalho, o MPRJ identificou como sócios das empresas Osnildo Dagoberto Bighi (Mayara, Chade 2004, Maratori) e Manoel Gonçalves Costa Moreira (Mayara, Chade 2004, M.J. Lagos).

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 857 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal