Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

01/05/2011 - Folha de São Paulo Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Entidade de compositores apura atuação de funcionários em fraude

Por: Marcelo Bortoloti


A UBC (União Brasileira de Compositores) está investigando o possível envolvimento de funcionários na fraude que levou o Ecad (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição) a pagar R$ 127,8 mil a um suposto compositor cadastrado na entidade como Milton Coitinho dos Santos.

Ontem a Folha revelou que o CPF usado para o cadastro na UBC é de um motorista que vive em Bagé, Rio Grande do Sul, e que se chama, de fato, Milton Coitinho dos Santos. O motorista, de 46 anos, afirmou jamais ter composto uma música, nem ter recebido direitos autorais.

Ele mora em uma casa modesta numa rua de terra na periferia de Bagé com a família e dirige um Gol 1996.

O suposto fraudador se cadastrou na UBC, uma das entidades que formam o Ecad, como autor de trilhas sonoras de dezenas de obras do cinema nacional.

Informou como endereço o hotel Palm Beach Resort, em Las Vegas. O hotel informou que não há nenhum hóspede com este nome.

SEM INQUÉRITO

De acordo com Marisa Gandelman, diretora-executiva da UBC, o golpe foi idealizado por alguém com acesso a informações restritas, como quais filmes tinham fichas técnicas com trilha sonora registradas na UBC.

Além de cadastrar fichas de filmes antigos que ainda não tinham registro, o autor do golpe modificou outras que já existiam, incluindo seu nome como co-autor.

"Queremos saber se existe um cúmplice aqui ou no Ecad", diz Gandelman.

As informações obtidas estão sendo encaminhadas para a Polícia Civil, mas segundo a diretora ainda não foi instaurado inquérito para apurar o crime.

Gandelman afirma que a fraude foi descoberta antes que novo pagamento fosse realizado. Ela também diz que a UBC já ressarciu todos os prejudicados na história.

Na semana passada, a pessoa que usa o nome de Coitinho mandou um e-mail para a UBC. Nele, diz que continua morando nos Estados Unidos e que não irá devolver o dinheiro porque já o gastou numa operação cirúrgica.

"Em suma, ele diz que, se a gente pagou, o problema é nosso. E que devemos abater em créditos futuros, mas ele não tem créditos a receber", diz Gandelman.

O Ecad não retornou o pedido de entrevista.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 214 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal