Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

22/04/2011 - Diário de Iguape Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Mantida prisão de empresário acusado de lavagem de dinheiro

Por: Renata Oliveira


A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) negou, por unanimidade, o pedido de revogação da prisão preventiva do empresário Carlos Roberto da Rocha, preso no Núcleo de Custódia de Aparecida de Goiânia (GO). Ele é acusado pela suposta prática do crime de lavagem de dinheiro. Os ministros da Turma acompanharam entendimento da relatora do caso, ministra Ellen Gracie.

A defesa havia pedido a concessão de liberdade para o empresário ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região, em Brasília, e depois no Superior Tribunal de Justiça (STJ), mas em ambas instâncias a liminar requerida foi rejeitada. Restou à defesa recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) por meio do Habeas Corpus (HC 104510).
No STF, a defesa alegou a falta de justa causa e de fundamentação para a decretação da prisão preventiva; excesso de prazo para o encerramento da instrução criminal; e que a prisão preventiva decretada em razão do crime de lavagem de dinheiro impede a obtenção do benefício de progressão de regime referente à condenação pelo crime de tráfico.

O empresário foi condenado anteriormente a 22 anos e seis meses de prisão, em regime inicial fechado, pelos crimes de tráfico de entorpecentes e associação para o tráfico previstos na Lei Nacional Antidrogas (Lei 6368/76).

O caso

Investigações da Polícia Federal em Goiás apontaram que o empresário, junto com outros réus, participou de uma organização criminosa responsável pela remessa de grandes quantidades de drogas escondidas dentro de contêineres de carne bovina congelada exportada para a Europa.

Segundo a operação da PF denominada “Operação Caravelas”, a droga – mais de uma tonelada de cocaína pura – seria proveniente da Colômbia e destinada à Europa, especialmente Portugal e Espanha.
As investigações da PF foram acolhidas pelo Ministério Público Federal que denunciou os acusados. Segundo o MPF, Os lucros obtidos pela organização seriam distribuídos entre os integrantes da quadrilha que compravam imóveis, veículos e artigos de luxo, sem justificar a origem do dinheiro.

A alta movimentação de recursos financeiros por parte dessas pessoas e o uso de laranjas na abertura de empresas para justificar gastos levaram a polícia a verificar a ocorrência de crime de lavagem de dinheiro. Uma forma encontrada pela organização para “legalizar” dinheiro proveniente do tráfico de drogas.
No caso do crime de lavagem de dinheiro a que se refere o pedido de habeas corpus dirigido ao STF, Carlos Roberto é réu no processo junto com outras 13 pessoas.

A relatora

Ao analisar o pedido da defesa, a ministra Ellen Gracie levou em consideração a gravidade do delito, a periculosidade do réu, as ações reiteradas da organização da qual ele participava e a necessidade de preservação da ordem pública para manter a prisão preventiva. Para a ministra, a decretação da prisão preventiva está fundamentada e amparou-se em fatos graves, principalmente nos fatos anteriores ao crime de lavagem de dinheiro.

Com relação ao argumento da defesa de que houve excesso de prazo na custódia do acusado, a ministra observou que há elementos nos autos que apontam para a complexidade do processo, que envolve 14 réus, todos com advogados diferentes. A relatora aponta que “a jurisprudência da Corte possui diversos precedentes que indicam que a complexidade da causa deve ser considerada na análise de eventual excesso de prazo da custódia do acusado”.

Sobre a alegação de que o processo por lavagem de dinheiro prejudicaria a obtenção do benefício da progressão de regime prisional, a relatora não considerou o pedido da defesa. Na avaliação da ministra Ellen Gracie, a questão da progressão de regime não foi analisada pelo TRF e pelo STJ e o conhecimento desse ponto no STF incorreria em supressão de instâncias.

Nesse sentido a ministra conheceu em parte o pedido de habeas corpus e na parte conhecida denegou a ordem. Os demais integrantes da turma acompanharam a relatora.

Processos relacionados – HC 104510

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 115 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal