Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

30/04/2011 - Paraná Online Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

No RS, ex-tesoureiro de Yeda é acusado de fraude


O tesoureiro da campanha de Yeda Crusius (PSDB) ao governo do Rio Grande do Sul em 2006, Rubens Bordini, e o tesoureiro do PMDB entre 2009 e 2010, Rodolfo Rospide Neto, estão entre os 25 réus de processo por fraudes contra o banco do Estado, o Banrisul, detectadas pela Operação Mercari da Polícia Federal.

A investigação iniciada no final de 2009 tornou-se pública em setembro de 2010, com a prisão temporária de quatro pessoas. Nesta semana, o Ministério Público do Estado (MP-RS) encaminhou denúncia à Justiça, que abriu processo contra os supostos participantes das irregularidades e divulgou seus nomes ontem.

O MP-RS apontou que duas agências de publicidade que detinham contratos com o Banrisul terceirizavam serviços necessários a ações de marketing em eventos como feiras, festas e exposições. Os fornecedores simulavam concorrências e superfaturavam os preços, prejudicando o banco e dividindo o resultado entre os participantes da rede. O valor da fraude está estimado em R$ 5 milhões.

Entre os réus estão um ex-diretor do Banrisul, já afastado, diretores e funcionários de agências de publicidade e responsáveis pelas diversas empresas que participaram das concorrências. A acusação não aponta o destino que os beneficiários do esquema davam aos valores que teriam recebido e nem fala em transferências para campanhas políticas.

O MP-RS diz que Bordini, que foi vice-presidente e diretor de marketing do Banrisul entre 2007 e 2010, "recebia parte dos valores desviados e beneficiava-se do esquema". Ainda segundo a promotoria, Rospide "valeu-se da sua condição de ex-assessor da presidência do Banrisul, na gestão do ex-presidente Fernando Guerreiro de Lemos", entre 2003 e 2006, "bem como de seus contatos políticos, para estabelecer e manter o esquema de desvios e apropriação de recursos do Banrisul, primordialmente por meio do pagamento de ações de marketing superfaturadas".

Bordini e Rospide mostraram-se surpresos com a acusação. "Das milhares de ligações telefônicas que a operação ouviu nenhuma é minha", ressalta Bordini, mostrando-se convicto de que foram feitas ilações que poderá desmentir no processo. Rospide alega que ainda não foi intimado para não entrar em detalhes do caso. "Não tenho nada a ver com isso", garante.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 224 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal